Nutrição e Juventude: Um tópico na Ordem de Trabalhos 998

No passado dia 2 de abril de 2024 tomou posse o novo executivo, liderado pelo primeiro-ministro Luís Montenegro, representando este governo constitucional uma mudança no paradigma político, marcado por novas ideias e perspetivas para o futuro. Assim, a ANEN coloca em si a responsabilidade de transmitir as suas prioridades e propostas para o futuro dos Estudantes de Nutrição e do Sistema de Saúde.

Claro está que as principais dificuldades enfrentadas pelos estudantes por nós representados se estendem à juventude como um todo, desde logo a emigração de mão de obra qualificada. Assim sendo, urge a necessidade de tornar o mercado de trabalho mais atrativo e digno do talento dos jovens, possibilitando ao país usufruir do grande investimento realizado na formação desta geração.

Adicionalmente, dada a importância e complexidade que vemos no acesso e adequado funcionamento do Ensino Superior e considerando as dificuldades enfrentadas pela Educação, não poderíamos deixar de reiterar a nossa preocupação face à extinção do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Tememos que esta configuração se espelhe numa redução da disponibilidade para a discussão de problemáticas intrínsecas a este grau de formação.

Contudo, enquanto representante dos Estudantes de Nutrição, a ANEN reforça a importância da reflexão sobre a realidade do acesso à profissão, do reconhecimento da importância da integração do Nutricionista nas suas mais diversas áreas de intervenção, bem como da sustentabilidade do Sistema de Saúde.

O acesso à profissão tem vindo a ser amplamente discutido tendo culminado numa atualização dos Estatutos das Ordens Profissionais, passando estes a prever a remuneração obrigatória do estágio profissionalizante. No entanto, ainda que a ANEN compreenda a importância deste passo para a emancipação dos jovens, reforçamos a nossa apreensão. Sem o adequado suporte de mecanismos de apoio que impeçam a retenção de recém-licenciados, esta medida poderá representar mais um obstáculo à entrada no mercado de trabalho.

Com o objetivo de ser parte constituinte da solução, a ANEN apresentou uma proposta para a criação de um Programa de Internato em Nutrição que gostaria de ver discutida junto do novo executivo. Acreditamos que esta abordagem representaria uma mais valia tanto para os estudantes como para o Sistema de Saúde permitindo, por um lado, colmatar a deficiência crónica destes profissionais, promovendo uma melhoria da qualidade dos cuidados de saúde e, por outro lado, um meio para a fixação do talento e integração jovem no Serviço Nacional de Saúde.

Acresce a importância do aumento da literacia nutricional e promoção da saúde, no qual o nutricionista pode desempenhar um papel central, através da sua atuação nas Autarquias e Instituições Particulares de Solidariedade Social. Ao capacitar a população para adoção de hábitos e estilos de vida saudáveis, estaremos a promover uma abordagem preventiva, passível de contribuir para o desenvolvimento sustentável do Sistema de Saúde.

A ANEN compromete-se a acompanhar atentamente o desenrolar desta nova legislatura, procurando estabelecer uma relação de proximidade com o poder político e assegurando a contínua representatividade e ampliação da voz dos Estudantes de Nutrição.

Maria Manuel Velosa e Diana Lopes
Presidente e Vogal da Direção da Associação Nacional de Estudantes de Nutrição

Envie este conteúdo a outra pessoa