Europeus consideram que empresas não devem vender produtos que contribuam para a destruição das florestas 444

Mais de 80% dos cidadãos de nove países europeus considera que as empresas não devem vender produtos que contribuam para a destruição das florestas, revela um estudo do Meridian Institute, divulgado pela ZERO. O óleo de palma, a carne e o chá contribuem para este flagelo, acreditam as populações inquiridas.

O estado do meio ambiente (53%) é o segundo problema mundial que mais preocupa os cidadãos europeus, acima da economia (50%), da assistência médica (37%) e da pandemia de covid-19 (27%). Num estudo realizado pelo Meridian Institute na Alemanha, Áustria, Espanha, França, Itália, Países Baixos, Portugal, República Checa e Suécia, apenas a paz e a estabilidade no mundo (67%) superam a questão ambiental.

No que diz respeito à questão ambiental, é precisamente a destruição e degradação das florestas o problema mais apontado pelos cidadãos europeus, com uma média de 77% a assumir preocupação extrema ou moderada, numa escala de 1 a 5. No entanto, Portugal destaca-se da maioria destes países ao apresentar a pontuação mais elevada nestes indicadores: 91%. A poluição do ar e das águas (74%), a escassez de água (72%), o aquecimento global (72%) e a perda de espécies (70%) seguem-se como sendo de moderada ou extrema importância.

São as mulheres, as pessoas com rendimentos mais elevados e os cidadãos que vivem nas cidades que maior preocupação demonstram com a destruição e a degradação das florestas, mostra o estudo. Na sondagem, numa escala de 1 (“não descreve de todo a minha opinião) a 7 (“descreve completamente a minha opinião”), foram 45% os que escolheram a opção 7, numa percentagem que chega os 85% quando somadas as opções 5, 6 e 7 para a frase: “Acredito que as empresas não devem vender produtos que são prejudiciais para as florestas do mundo”.

Contanto também as opções 5, 6 e 7, mais e 75% dos europeus concorda com as frases “é frustrantemente difícil distinguir se um produto é livre de desflorestação, ou não, ao fazer compras” e “acredito que é papel do governo banir produtos que são prejudiciais para as florestas do mundo”. E quem deveria ter a maior responsabilidade na proteção das florestas? As grandes empresas, acreditam os cidadãos europeus (46%), mas também organismos internacionais como as Nações Unidas (44%) e os governos nacionais (42%).

Óleo de palma, carne ou chá: os inimigos da floresta

Como a produção ou o fabrico dos seguintes produtos/ingredientes contribui para a desflorestação? Somadas as três opções mais elevadas, numa escala de 1 a 6, foi a mobília a que dominou, com 77%, seguida bem de perto pelo óleo de palma (75%) e pelas rações de soja e carne (ambas com 63%). Destaque também para peles (55%), óleos vegetais (53%), cacau e chocolate (53%), café (51%), banana (47%) e o chá (40%).

Ao saberem que os produtos de determinada empresa são responsáveis pela desflorestação, os consumidores admitem reduzir a sua compra (36%) ou mesmo deixar de os comprar (37%). Em Portugal, estas percentagens seriam mais elevadas, de 40 e 41%, respetivamente.

Aceda aqui ao estudo completo, divulgado pela ZERO.

WordPress Ads
Envie este conteúdo a outra pessoa