Lista B: “Somos uma equipa com um espírito conciliador. Queremos criar consensos” 851

Com as eleições para o Conselho de Supervisão da Ordem dos Nutricionistas (ON) ‘à porta’ (13 de julho), Helena Canário, da Lista B: Pela Regulação na Nutrição, em entrevista ao Portal VIVER SAUDÁVEL, revela que, se a lista for eleita, os seus elementos terão “uma abordagem colaborativa e transparente” e estarão “empenhados em garantir a proteção do público e o avanço contínuo da nutrição como ciência e na aplicação prática nas suas várias áreas de atuação, clínica, comunitária, saúde pública, alimentação coletiva e também na indústria”.

 

Por que razão formar esta lista de candidatura ao Conselho de Supervisão?

A razão pela qual formamos esta Lista é o sentido de servir e de apoiar bem como a necessidade de regular, como está aliás espelhado no nosso lema: “Pela Regulação na Nutrição”. Como se sabe, a recente lei das Ordens Profissionais veio alterar alguns aspetos do dia a dia da Ordem dos Nutricionistas, dos seus membros e também da admissão dos seus futuros membros.

Uma das alterações mais profundas, mas ainda pouco visível é a constituição do Conselho de Supervisão, que é independente no exercício das funções da ON, zela pela legalidade da atividade exercida pelos seus órgãos e exerce poderes de controlo, nomeadamente em matéria de regulação do exercício da profissão. Foi com grande entusiasmo e elevado compromisso que apresentamos a nossa lista para o Conselho de Supervisão ON e nos subtemos ao sufrágio dia 13 de julho. Esta lista é constituída por profissionais de diferentes áreas, com percursos distintos, mas que têm em comum o mais importante: estão profundamente dedicados ao campo da nutrição, acreditando firmemente na importância da regulação e supervisão ética da profissão.

 

– De que modo é que a experiência dos elementos da lista, sobretudo daqueles que não são elementos da ON, serão uma mais-valia para o Conselho de Supervisão?

Desde logo, realçamos o papel de ser um órgão independente. Este novo órgão pressupõe que sejam incluídos elementos externos à Ordem dos Nutricionistas. O que é sem dúvida alguma uma mais-valia na constituição deste conselho. Ora, os elementos externos da nossa Lista são de facto elos muito fortes, com uma vasta experiência nas áreas científicas e com uma ampla visão das diferentes áreas de atuação do nutricionista. O facto de virem de outras áreas com um background académico diferente só implica maior experiência, visão, criatividade e acima de tudo rigor. Isto só por si já enriquece sobejamente a Lista B e dá-nos a capacidade para avaliar, calibrar, rever analisar as propostas que nos chegarem, assim como de adicionar contributos agregadores e construtivos em prol da profissão. É um elevado privilégio ter estes digníssimos e reconhecidos elementos externos.

 

– Quais são os pontos-chave da candidatura/programa da Lista B?

Como referi anteriormente, este é um novo órgão pelo que não há passado, não há histórico da sua existência. Tudo é uma novidade. Os pontos-chave da nossa candidatura são a contribuição mais rigorosa na avaliação e ponderação das propostas previamente aprovadas pelo Conselho Geral e pela Direção da Ordem. Quando essas propostas nos chegarem, teremos uma abordagem colaborativa e transparente, estaremos empenhados em garantir a proteção do público e o avanço contínuo da nutrição como ciência e na aplicação prática nas suas várias áreas de atuação, clínica, comunitária, saúde pública, alimentação coletiva e também na indústria. Acreditamos que temos os elementos certos para fazer acontecer e para que o Conselho de Supervisão faça a diferença.

 

– O que acha que, atualmente, está menos bem do ponto das matérias em que o Conselho de Supervisão atuará?

Caso sejamos eleitos comprometemo-nos a colocar em prática aquilo que são as estritas competências deste órgão e a contribuir de forma colaborativa como já referido.

 

– Quais vão ser, se ganharem as eleições, as primeiras medidas/ações a tomar?

Gostaríamos de reunir com todos os órgãos da Ordem de forma a percebermos em que medida é que de imediato podemos colaborar com cada um deles, criando fluxos e responsabilidades de acordo com as nossas competências, funções e interações. Somos uma equipa com um espírito conciliador. Queremos criar consensos e emitir pareceres que garantam a qualidade e a legalidade das decisões dos órgãos da Ordem e que contribuam assim para uma profissão mais acessível a todos os licenciados em Ciências da Nutrição e Dietética e Nutrição.

 

Conheça os elementos da Lista B: Pela Regulação na Nutrição

 

Membros com inscrição ativa na Ordem dos Nutricionistas

 

1º. Helena Canário

Nutricionista, trabalhando atualmente na Nestlé, onde desempenha funções de Medical Scientific Affairs- nutrição infantil.

 

2º. Maria João Campos

Exerce nutrição clínica em vários centros clínicos na zona e é docente no Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas e no Mestrado em Segurança Alimentar na Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra.

 

Suplente: Filipa Vicente

Nutricionista especialista em Nutrição clínica e professora auxiliar no Instituto Universitário Egas Moniz (IUEM) onde é docente desde 2009.

 

Membros não inscritos na Ordem dos Nutricionistas

 

1º. Davide Carvalho

Médico endocrinologista, professor associado com agregação da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), docente do Mestrado de Nutrição Clinica da Faculdade de Ciências de Nutrição e Alimentação da UP e investigador no i3s.

 

2º. Carla Rego

Médica pediatra no Hospital CUF Porto e professora da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, coordenadora da Unidade Curricular de Pediatria no Hospital CUF Porto, regente da Disciplina de Nutrição Pediátrica e co-coordenadora da Pós-graduação em Nutrição Pediátrica da Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa.

 

Suplente: Vânia Ribeiro

Professora coordenadora da Escola Superior de Saúde do Politécnico de Leiria e membro integrado do CiTechCare e colaborador no LSRE-LCM.

Envie este conteúdo a outra pessoa