Escolas de Amares cultivam frutas e hortícolas que servem ao almoço 179

08 de Abril de 2016

Os centros escolares de Amares estão dotados de hortas pedagógicas, que são cultivadas por alunos, professores e funcionários, uma iniciativa que visa incentivar o consumo de fruta e produtos hortícolas, informou ontem o município.

Brócolos, pés de alface, morangos, pimentos, pepinos e curgete são alguns dos hortofrutícolas que saem daquelas hortas pedagógicas, para serem confecionados nas cozinhas dos centros escolares, incorporando a refeição do almoço.

A monitorização das hortas é feita pelos alunos, professores, educadores e auxiliares responsáveis, que levam a cabo tarefas como a rega e limpeza das hortas pedagógicas, promovendo o crescimento sustentável dos produtos plantados.

Ontem, a vereadora da Educação, Cidália Abreu, acompanhou uma plantação, numa iniciativa integrada nas comemorações do Dia Mundial da Saúde.

«O facto de serem as crianças a plantarem e acompanharem de perto o processo de crescimento destes produtos cria nelas uma maior responsabilização e consequente motivação para a ingestão destes alimentos», referiu a autarca, citada num comunicado municipal.

As hortas pedagógicas acompanham o programa do Regime de Fruta Escolar (RFE), que pretende melhorar a qualidade nutricional da oferta alimentar em meio escolar, já que permite a distribuição de fruta e/ou hortícolas duas vezes por semana, proporcionando assim a integração de uma opção saudável nos lanches escolares dos alunos do 1.º ciclo.

O município de Amares recorda que «74% das crianças portuguesas não ingere fruta na quantidade recomendada diariamente, o que acarreta consequências negativas para a saúde, designadamente défice de concentração e aprendizagem, bem como maior predisposição a doenças como a obesidade ou a diabetes tipo 2».

Envie este conteúdo a outra pessoa