Portugueses em programa de educação alimentar baixaram consumo de sal 0 231

Segundo um estudo realizado por investigadores da Nova Medical School e da Faculdade de Medicina do Porto, no âmbito do Programa Menos Sal Portugal, mais de 300 portugueses reduziram o consumo de sal e aumentaram o consumo de legumes, fruta, peixe e frutos secos.

O estudo “ReEducar – Reeducação para uma alimentação saudável”, foi coordenado pelos investigadores Conceição Calhau (Professora da NOVA Medical School, Coordenadora da Unidade Universitária de Lifestyle Medicine da CUF e da NOVA Medical School e Investigadora do CINTESIS), e Jorge Polónia (Professor na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Professor Catedrático Convidado da Universidade de Aveiro, Investigador do CINTESIS, Médico Especialista em Medicina Interna e Hipertensão Arterial do Hospital CUF Porto).

O “ReEducar” é o primeiro estudo populacional realizado em Portugal de alteração de hábitos alimentares com monitorização rigorosa do consumo de sal e potássio e as suas consequências diretas na saúde.

O Programa Menos Sal Portugal foi lançado no início do ano com o intuito de sensibilizar os portugueses para a redução do consumo de sal.

Este estudo envolveu 311 voluntários que foram acompanhados durante quatro meses por profissionais de saúde e por nutricionistas que os aconselhavam na hora de ir às compras no supermercado.

Pretendeu-se avaliar o impacto da alteração de hábitos alimentares, através de uma monitorização rigorosa do consumo de sal e potássio e as suas consequências diretas na saúde.

O estudo conclui que a diminuição da ingestão de sal e o aumento da ingestão de potássio, a par da mudança dos padrões alimentares, estão associados a uma redução da pressão arterial e a potenciais benefícios cardiovasculares.

Através do Programa Menos Sal Portugal pretende-se incentivar os portugueses a seguirem as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e reduzirem o seu consumo diário para apenas 5 gramas de sal, metade do que ingerem atualmente (10,7 gramas por dia).

Os resultados revelaram também um aumento do consumo de vegetais, legumes, hortaliças, leguminosas, fruta, peixe e frutos secos, um reforço das práticas de culinária saudável e uma diminuição do consumo de produtos processados.

O consumo excessivo de sal é um problema de saúde pública em Portugal e está associado a várias doenças, nomeadamente à hipertensão que afeta mais de 40% da população nacional e que pode levar a AVC ou a enfarte do miocárdio.

Envie este conteúdo a outra pessoa