Pelo menos 12% dos portugueses seguem dietas baseadas em produtos de origem vegetal 608

Atenta às preocupações com o peso ideal, as idas ao ginásio e cada vez mais dietas, a DECO PROTESTE analisou os quatro regimes alimentares mais comuns – vegan, ovolactovegetariano, mediterrânico e planetário – e conclui que o vegan é o mais dispendioso, exigindo mais de sete mil euros por ano. Em contrapartida, a dieta planetária, que custa cerca de menos mil euros, “não tem os mesmos benefícios ambientais”.

No que toca aos benefícios para o planeta, “o mais aconselhado é um regime vegan, onde não existe consumo de proteína animal. Caso esta seja uma dieta demasiado difícil de implementar, uma dieta tendencialmente mais vegetal, temperado com quanto baste de proteína animal tem também benefícios ambientais, quando comparado com as dietas mediterrânicas e planetárias”, lê-se em comunicado.

Neste sentido, são apresentadas soluções para diminuir o impacto em cada opção alimentar. No caso da dieta vegan, “se trocar a bebida de amêndoa por uma de aveia, reduz 20% o consumo de água. Numa semana, poupam-se mais de 1500 litros de água e 2 quilos de CO2 equivalente”.

Na dieta ovolactovegetariana, “substituir o leite de vaca por uma bebida de soja fortificada com vitaminas e minerais diminui 5% a emissão de CO2 equivalente, 6% o consumo de água e 1% a ocupação do solo”. Finalmente, a dieta mediterrânica conta com carnes vermelhas, que exigem mais recurso. Por isso, “se trocar bifes de vaca por idênticos de frango, o potencial de aquecimento global e o consumo de água são reduzidos em 5 por cento”.

A dieta mais leve para a carteira é a dieta planetária, em oposição à vegan que é a mais cara. “A eliminação de todo e qualquer alimento de origem animal leva os vegans a incluírem equivalentes lácteos que, só por si, representam 20% da despesa global”. Ou seja, 29 euros por semana. As hortícolas e os fungos (cogumelos, por exemplo) ocupam igualmente uma grande fatia no consumo (25%), à semelhança, aliás, dos outros padrões alimentares. A despesa semanal é de 35 euros. Juntos, os dois grupos somam 45% da despesa global.

Esta dieta exige 142 euros por semana, o que, mensalmente, se traduz em 608 euros. É a alternativa mais exigente do ponto de vista económico. Por mês, é 46 euros mais cara do que a dieta ovolactovegetariana, mais 64 do que a mediterrânica e mais 95 do que a planetária

Na dieta ovolactovegetariana, ovos e laticínios ganham protagonismo, fornecendo proteína animal, na falta de carne e de peixe. A proporção de ovos pode ser três vezes e meia superior à das dietas planetária e mediterrânica. “Se os juntarmos aos lácteos, a despesa perfaz 21%, mais do que o grupo da carne, pescado e ovos das dietas mediterrânica e planetária (16 e 17%, respetivamente). Porém, são as hortícolas e os frutos a completar quase metade dos gastos (44 %). Por semana, esta dieta totaliza 131 euros e, por mês, 562. Entre as quatro dietas, é a segunda mais cara. Mais 18 euros por mês do que a mediterrânica e mais 49 do que a planetária. Em contrapartida, significa menos 46 euros por mês do que a vegan”.

Dieta mediterrânica: reconhecida pela UNESCO em 2013 como Património Imaterial da Humanidade, a sua base é vegetal, com quantidades moderadas de alimentos de origem animal, sobretudo de pescado. Abundam hortícolas, cereais integrais, frutos (incluindo oleaginosos), leguminosas e sementes e o azeite é de uso preferencial. Laticínios e carne vermelha tocam em modo comedido. Hortícolas, cereais e tubérculos e frutos representam 59% da despesa total. Por semana, o gasto é de 127 euros. Face à dieta planetária, custa mais 31 euros por mês, mas menos 64 euros do que a vegan.

Associação vegetariana contesta Deco e diz que dieta vegana é a mais barata

Desenvolvida com base na evidência científica, alia dieta, saúde e proteção do planeta – “a dieta planetária usa e abusa dos hortícolas, os cereais integrais, as leguminosas e as oleaginosas e, com menos protagonismo, os tubérculos e a fruta”. Reduzidos a figurantes, ficam os laticínios e a carne vermelha. O pescado fala mais alto do que a carne. Hortícolas, cereais e tubérculos, carne, pescado e ovos, em uníssono, representam 62% do gasto total. Só as hortícolas pesam 27% na fatura a pagar. O cabaz semanal totaliza 120 euros. Mais económica face à mediterrânica (menos 31 euros por mês), menos 49 em relação ovolactovegetariana e menos 95 perante a vegan.

Todos os valores apresentados têm por base um plano alimentar equilibrado para quatro pessoas (dois adultos, uma criança e um adolescente). Este princípio é válido para todas as dietas.

Envie este conteúdo a outra pessoa