Estudo concluiu que há mais de 50% de portugueses com excesso de peso 1160

A The 1:1 Diet by Cambridge Weight Planâ promoveu um estudo à população portuguesa, sobre o peso e avaliação de hábitos alimentares e estilos de vida da população portuguesa, e conclui que nas Zonas Norte, Centro e Alentejo há mais de 50% de indivíduos com excesso de peso.

O inquérito foi realizado pela Arlington Research em nome da The 1:1 Diet by Cambridge Weight Plan ao longo do 1º trimestre de 2022. Ao todo foram inquiridas 1.000 pessoas em Portugal sobre os seus hábitos alimentares e experiência com programas de perda de peso.

O estudo constatou que 50% dos portugueses considera que tem peso a mais, 64% consideram estar “um pouco acima do peso” e 81% os que acham estar “muito acima do peso”.

As zonas Norte, Centro e Alentejo são as áreas geográficas com mais indivíduos com excesso de peso. Coimbra e Centro destaca-se com 56%, o Porto e Norte apresenta 52%, o Alentejo com 50%, a zona de Lisboa com 46%, já o Algarve tem 32% de indivíduos com excesso de peso.

Em cada 10 adultos portugueses, 4 gostariam de perder peso (46%).

Pouco mais de metade das mulheres portuguesas indicaram querer perder peso (53%) contra 38% dos homens portugueses. Esse desejo aumenta com a idade, com apenas um terço (33%) da faixa etária dos 21 aos 28 anos contra 53% dos maiores de 58 anos. Já 52% assume que têm mais dificuldade em perder peso à medida que envelhecem.

Relativamente à razão de quererem emagrecer, três quartos dos adultos portugueses (75%) indicam que é para serem mais saudáveis.

No que diz respeito a dietas, três em cada dez adultos portugueses (30%), concordam que não conseguem fazer dieta sozinhos sem ajuda de outros, e cerca de 29% indicam que é preciso uma ocasião/altura do ano especial, como depois do Natal ou antes das férias de Verão, para perder peso.

Pouco mais de um terço dos adultos portugueses (35%), concordam que quando fazem dieta, nunca resulta em mudanças duradouras. Cerca de 26% indica que após uma perda de peso se segue uma recuperação rápida do peso inicial. Mais de dois terços dos adultos portugueses (68%) sentem-se frustrados quando fazem dieta e não têm resultados. E quase seis em cada dez adultos portugueses (58%) concordam ser mais fácil fazer dieta se tiverem alguém a motivar.

Somente 21%, pouco mais de um quinto dos adultos portugueses, afirmam ter seguido um plano de emagrecimento nos últimos 12 meses.

Já 53% dos inquiridos concordam que quando se sentem acima do peso, isso influencia negativamente o seu humor.

Quanto ao ganho de peso, 35% confirmam terem ganho peso durante o confinamento. Entre aqueles que ganharam peso durante este período, o aumento médio de peso foi de 7 quilos.

Entre aqueles que ganharam peso durante o confinamento, 63% afirmam que os seus níveis de energia baixaram, 50% dizem que o seu bem-estar piorou, 44% referem alterações no sono, 37% mencionam que a sua saúde, no geral, piorou e, por fim, 22% afirmam que a capacidade do seu corpo prevenir doenças e infeções baixou como resultado do ganho de peso durante este período.

“Este estudo, levado a cabo pela The 1:1 Diet, é realmente demonstrativo da vontade, por parte de muitos portugueses, de perder peso, facto que está diretamente relacionado com a questão da sua saúde e bem-estar. Os dados recolhidos mostram que houve efetivamente um aumento bastante considerável de peso nos últimos dois anos – uma das muitas consequências negativas da pandemia – pelo que se torna urgente contrariar esta tendência que, como se viu, tende a aumentar com a idade”, concluiu António Gil, Country Manager The 1:1 Diet by Cambridge Weath Plan em Portugal, citado num comunicado enviado.

WordPress Ads
Envie este conteúdo a outra pessoa