“Não era a opção mais imediata”, diz a nova presidente da ANEN que agora tem todas as “certezas” 701

Leonor Quelhas Pinto foi eleita presidente da Associação Nacional de Estudantes de Nutrição (ANEN), numa eleição em que votaram 8 de 10 associações de estudantes que poderiam participar no sufrágio. A Lista A, única candidata à direção, foi escolhida por unanimidade e a líder falou com a VIVER SAUDÁVEL sobre o seu percurso e sobre a Nutrição em Portugal.

Natural do Porto, com 22 anos e a terminar o curso na Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto (FCNAUP), Leonor apenas entrou no mundo do associativismo quando chegou à faculdade e a um curso que nem sequer era uma primeira opção clara…

“Na verdade eu sempre gostei de duas áreas: saúde e direito. O que eu sempre quis foi poder conciliar as duas vertentes na minha vida profissional futura. Mas, quando terminei o secundário, acabei por optar pela área da saúde. Escolhi Ciências da Nutrição na FCNAUP e sendo eu do Porto pareceu-me a opção mais óbvia, até porque já tinha algumas referências”, referiu a nova presidente da ANEN à VIVER SAUDÁVEL.

Leonor Quelhas Pinto é a nova presidente da Associação Nacional de Estudantes de Nutrição

Acrescentou que mesmo “não sendo uma escolha imediata porque não tinha noção das soluções que a nutrição pode ter”, a “pluralidade” de funções e o caminho natural da licenciatura fez com que fosse “desenvolvendo um gosto particular pela área da Nutrição”.

Gosto mesmo da ANEN e percebo o impacto que pode ter nos estudantes

“Não era a opção mais imediata, porque gostava de saúde e direito, mas agora tenho a certeza que foi a opção certa”, rematou.

Importância da ANEN na Nutrição

Sem oportunidade de fazer parte de uma associação de estudantes na escola secundária, porque a mesma não tinha esse organismo, “desde sempre” que Leonor Quelhas Pinto gostou da área do associativismo e de sentir que podia “contribuiu numa lógica positiva para a sociedade”. “Quando entrei na faculdade, com o gosto que comecei a ganhar pelo curso, percebi que podia conciliar o curso com esta vertente de participação ativa na sociedade. E a associação de estudantes da FCNAUP acabou por ter um papel muito importante no meu gosto pelo associativismo”, explicou.

No ano letivo 2021/2022 chega à ANEN como vogal, mas acabou por ter um papel importante na “representação externa da associação”. “Foram surgindo assim oportunidades, não só de desempenhar as funções, mas também estar nessa parte da comunicação externa. Sempre que era necessário fazer algo para colaborar com outros departamentos eu mostrava-me disponível. Gosto mesmo da ANEN e percebo o impacto que a ANEN pode ter nos estudantes e nos licenciados. Ao longo do mandato quis fazer sempre mais e mais. Quando chegou a altura de terminar o mandato [duração de um ano], conversámos sobre qual seria o futuro da associação e eu mostrei-me disponível para assumir a presidência, porque me pareceu que tinha as motivações certas e o resto da direção considerou o mesmo. Resultou do trabalho desenvolvido e da minha vontade“, frisou.

Sobre o contexto geral da área da Nutrição, a jovem diz sentir que a profissão devia abrir-se mais ao mundo: , e que o que “Além do conhecimento científico, que é extremamente importante, o nutricionista tem de ter uma visão geral da sociedade, refletir sobre os problemas e tentar arranjar soluções“, finalizou.

WordPress Ads
Envie este conteúdo a outra pessoa