Imposto leva a quebra no consumo de bebidas açucaradas 254


18 de setembro de 2017

As vendas de bebidas açucaradas diminuíram 25%, desde a implementação do imposto sobre os refrigerantes.

«Em fevereiro, as bebidas mais açucaradas representavam 54% do total das vendas e as menos 55%; em julho, as mais açucaradas representavam 27% face a 73% das menos açucaradas. Em seis meses, houve uma transferência grande do consumo, o que é muito positivo», disse o secretário Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, citado pelo “Jornal de Notícias”.

O Governo pretende avançar com outras medidas na área alimentar. Uma das ideias que está em cima da mesa é estender a proibição da venda de alimentos com alto teor de sal, gordura e açúcar, nas máquinas de venda das unidades de saúde do SNS, às escolas, universidades e autarquias.

O combate ao sal também é um dos objetivos do executivo. O membro do Governo adianta que tal passa por negociar com a indústria do pão, convencer a restauração a cortar o sal nas sopas, tirar os saleiros das mesas, formar cozinheiros nas escolas.

«O mais importante é conseguir acordos com os parceiros. Mas se for necessário estamos disponíveis para encarar a via legal para que se consigam resultados depressa», diz Fernando Araújo, lembrando que devíamos ingerir no máximo cinco gramas por dia e consumimos cerca de 11 – mais do dobro.

Envie este conteúdo a outra pessoa