Desafio: E se, durante um mês, fosse vegetariano? 0 188

04 de janeiro de 2019

O “Desafio Vegetariano” lança o repto de excluir, durante um mês, produtos de origem animal do regime alimentar, por uma alimentação mais sustentável. 

 

O jornal “Público” avança com a explicação da organização do “Desafio Vegetariano” sobre como cumprir este desafio «sem gastar tempo, dinheiro e mantendo o prazer da comida». 

 

O Desafio é lançado com uma premissa: seguir uma alimentação totalmente vegetariana durante um mês. Para apoiar todos que pretendam avançar com esta medida, os membros do movimento dão total apoio, partilhando dicas sobre alimentação sustentável simples e barata e esclarecendo alguns preconceitos sobre o vegetarianismo. Para apoiar quem possa necessitar de apoio na sua dieta, a organização disponibiliza também no portal contacto de alguns nutricionistas.

 

A eliminação de produtos de origem animal durante um mês tem sido indicada como resolução de ano novo de cada vez mais pessoas, por todo o mundo. O movimento Veganuary, que deu origem a este desafio em português, reúne um número de participantes cada vez maior.

 

Veganuary é um movimento internacional que incita as pessoas a aderirem ao veganismo durante o mês de janeiro.

 

«Cada vez há mais pessoas a demonstrar vontade de transformar os seus hábitos alimentares em hábitos mais saudáveis, sustentáveis e, acima de tudo, mais éticos. Só não dão esse passo por não saberem bem como, até porque há ainda muitos mitos sobre a alimentação de base vegetal», contextualiza João Galvão, coordenador do movimento, ao “P3” do “Público”.

 

O movimento surgiu no final de 2017 com um grupo de amigos que «partilham preocupações ambientais, alimentares e humanísticas». 

 

Com mais de 400 inscritos só durante os primeiros dois dias de 2019, o Desafio Vegetariano contou com 2500 participantes em 2018. Fora de Portugal, os números são superiores. Dia 30 de Dezembro mais de 14.000 pessoas fizeram a inscrição no Veganuary, contou ao “The Guardian” Rich Hardy, um dos responsáveis pelo movimento internacional.

Envie este conteúdo a outra pessoa