CNA 2019: «Temos um programa de elevada excelência» 0 337

A sessão abertura do Congresso da APN reuniu as breves intervenções sobre o que é de esperar do evento deste ano, bem como da presença da nutrição na “agenda” de cada uma das instituições representadas.

Presentes estiveram o Eng. João Torres, Secretário de Estado da Defesa do Consumidor, do Exmo. Senhor Professor Doutor Fernando Bernardo, Diretor-Geral da Direço-Geral de Alimentação e Veterinária, Maria João Gregório, Diretora do Programa Nacional de Promoção da Alimentação Saudável, Nuno Borges, Presidente da Comissão Científica do XVIII Congresso de Nutrição e Alimentação, do Fernando Paulo, do Pelouro da Habitação e Coesão Social e Pelouro da Educação da Câmara Municipal do Porto e da Exma. Senhora Dr.ª Célia Craveiro, Presidente da Direção da Associação Portuguesa de Nutrição e Presidente da Comissão Organizadora do XVIII Congresso de Nutrição e Alimentação. Nos seus discursos perspetivaram o que se espera deste XVIII Congresso.

Célia Craveiro fala do esforço de internacionalização feita em 2018, que levou a um sentimento de «obrigação de exceder expetativas e proporcionar maior impacto» para esta edição. Pretende-se que o encontro seja um «auxílio» na prática diária do exercício do nutricionista. Afirma ainda: «Temos um programa de elevada excelência. Comprometemos-nos com os nossos associados a acrescentar mais valor ainda, […] e na transparência e idoneidade da fundamentação científica», dando conta dos mais de 1600 inscritos nesta edição de 2019.

Nuno Borges, da Comissão Científica do Congresso, menciona que se tem assistido a uma evolução tremenda da nutrição enquanto área de conhecimento científico. Para este congresso avança: «tenho a perceção de que a qualidade tem evoluído de forma satisfatória» e faz notar que «queremos ser um marco no que é a “boa ciência” na nutrição».

Na sua intervenção, Maria João Gregório, diretora do PNPAS, afirma que «o valor da nutrição é inquestionável», lembrando o impacto económico e social que tem. Menciona que a alimentação está cada vez mais presente nas políticas de saúde pública, que envolve vários setores, mencionando ainda as ações que a Direção Geral da Saúde tem levado a cabo nas políticas já implementadas em parceria com a indústria alimentar, bem como a pressão que continuam a fazer nesse sentido.

Já o representante da Câmara Municipal do Porto, Fernando Paulo, afirma que «a saúde é uma prioridade» e que as autarquias têm um papel fundamental  em várias frentes, tais como no abastecimento água, promoção do desporto, ou na garantia de um ambiente favorável à saúde. Associando a alimentação à saúde, garante que a Câmara do Porto quer materializar a promoção da saúde por ser um «bem que deve ser acessível a todos».

Envie este conteúdo a outra pessoa