40% das pessoas infetadas com COVID-19 podem não ser detetadas através de testes rápidos de antigénio 310

• Novos dados médicos dos Laboratórios SYNLAB confirmam que cerca de 40% dos resultados positivos de SARS-CoV-2 obtidos através de testes PCR poderiam não ter sido identificados se tivessem sido utilizados apenas testes rápidos de antigénio.
• Uma comparação direta entre testes PCR e testes rápidos de antigénio realça a baixa sensibilidade dos testes rápidos de antigénio.
• Estes estudos indicam que os testes rápidos de antigénio não podem garantir ambientes seguros em viagens aéreas, controlo de fronteiras, eventos desportivos, entre outros.
• A utilização de resultados negativos dos testes rápidos de antigénio para garantir o acesso de visitantes a instalações de prestação de cuidados coloca em perigo a vida dos mais vulneráveis.

A SYNLAB, líder europeu em serviços de diagnóstico médico, respeita o valor e pertinência da utilização de testes rápidos de antigénio dentro dos parâmetros definidos pelas Autoridades de Saúde, e reitera a sua preocupação na utilização dos mesmos fora dos ambientes recomendados. A empresa acaba de apresentar novos dados médicos obtidos através de uma comparação direta entre testes RT-PCR e testes rápidos de antigénio, que realçam a inexatidão destes últimos quando utilizados para testar pessoas “saudáveis”. Neste estudo comparativo foram efetuados mais de 20.000 testes à SARS-CoV-2 em indivíduos no seu local de trabalho, ou seja, que não descreveram quaisquer sintomas (sendo, por isso, considerados “saudáveis”). Os resultados destes testes confirmam que quase 40% dos casos positivos de SARS-CoV-2 identificados através dos testes PCR poderiam não ter sido detetados se os indivíduos testados tivessem realizado apenas testes rápidos de antigénio. Foi demonstrado de forma clara que as pessoas que testaram negativo com os testes rápidos de antigénio (mas que, na realidade, estavam positivas) podem disseminar o vírus da COVID-19 com consequências graves. Estas situações ocorreram na Casa Branca (EUA) e com associações desportivas de alguns países nas quais o vírus se alastrou no seio das equipas em poucos dias.

A explicação para as limitações dos testes de antigénios reside numa queda acentuada da precisão de deteção do vírus nos indivíduos com cargas virais mais baixas, acima de 25 a 30 Ct (limiar de ciclo) (Figura 1). O valor Ct indica quantos ciclos de multiplicação PCR devem ser executados para revelar a presença do material genético viral. Regra geral, quanto mais alto o valor Ct, menos quantidade de vírus está presente na amostra. Desta forma, fica claro que os testes de antigénio não detetam a SARS-CoV-2 em pessoas testadas com valores Ct mais elevados; contudo, isto não significa que estas pessoas não possam infetar outras, pois foi demonstrado que o vírus infecioso pode ser isolado mesmo de indivíduos com valores Ct superiores a 35.

“Os dados médicos que obtivemos reforçam a nossa preocupação relativamente à utilização de testes rápidos de antigénio para garantir ambientes seguros para a interação humana. Os testes de antigénio poderiam falhar a deteção em quase 40% dos portadores do vírus, que seriam identificados por RT-PCR ou métodos equivalentes. Essas pessoas encontrar-se-iam em falsa segurança e poderiam espalhar o vírus sem o saberem, colocando em risco todas as outras à sua volta. Temos observado muitos exemplos destes casos. Todos queremos voltar ao normal, mas só o conseguiremos se agirmos e testarmos de uma forma responsável e precisa”, explica a Dra. Laura Brum, Diretora Médica da SYNLAB Portugal.

Sobre a SYNLAB
O Grupo SYNLAB é o líder europeu em serviços de diagnóstico médico, com mais de 500 milhões de análises realizadas anualmente nas áreas de Medicina Humana e Veterinária, Indústria Farmacêutica e Ambiental. Com uma equipa multidisciplinar de mais de 20.000 colaboradores, está presente em mais de 40 países e alcançou uma posição de liderança nos principais mercados. Mais informação em www.synlab.pt.

Envie este conteúdo a outra pessoa