Suplementação com L-carnitina em diferentes contextos: Que evidência? 0 266

A L-carnitina (LC) é um composto que se encontra naturalmente presente no corpo humano e em todos os mamíferos. Nos humanos, mais de 95 % das reservas de LC encontram-se no músculo esquelético. No indivíduo saudável, a biossíntese ocorre no fígado, rins e cérebro a partir de dois aminoácidos essenciais, a lisina e a metionina, e requer a presença das vitaminas B1, B6 e C e de Ferro ferroso (Fe2+) como cofatores. Contudo, cerca de 75 % da LC resulta da ingestão alimentar, sendo a carne, principalmente a carne vermelha, e os lacticínios, as principais fontes.

Em determinadas patologias, as necessidades individuais podem ser superiores às quantidades obtidas através da alimentação e da síntese endógena, como tal, a LC é considerada um nutriente condicionalmente essencial.

A LC desempenha duas funções essenciais no metabolismo lipídico. Por um lado, assiste à translocação dos ácidos gordos de cadeia longa (grupo acilo) para o interior da matriz mitocondrial, onde serão submetidos à oxidação em beta. Por outro, auxilia na regulação do rácio entre a acetilcoenzima A mitocondrial e a coenzima A livre.

Devido a este papel, por volta do final do século XX, a suplementação com LC no contexto desportivo ganhou popularidade. Este suplemento tinha a finalidade de melhorar o rendimento desportivo, em desportos de resistência, e a sua utilização assentava no pressuposto de que a suplementação de LC aumentaria as reservas e, consequentemente, a oxidação lipídica.

Por sua vez, o aumento da oxidação lipídica permitiria poupar as reservas de glicogénio, conduzindo ao atraso do aparecimento da fadiga e à melhoria do rendimento desportivo. No entanto, cedo se começou a perceber que o processo não seria assim tão linear, pois a suplementação, oral ou intravenosa, não resultava no aumento das reservas musculares.

Tal deve-se, em parte, ao elevado gradiente de concentração existente entre o músculo e o plasma. A LC é transportada ao longo do sarcolema através OCTN2, um simporte de catiões orgânicos e carnitina. No estado basal, a entrada de LC para o músculo esquelético está saturada, pelo que o simples aumentar da ingestão de LC é improvável que aumente a sua concentração. Este transportador é estimulado pelo Na+ extracelular e, como tal, aumentando a atividade da bomba de Na+/K+, por exemplo, pela estimulação pela insulina, o transporte de LC pode ser aumentado.

Em 2007, foi publicado um estudo onde foi testada uma infusão intravenosa de LC e insulina, simultaneamente. Tal como previsto pelos autores, o aumento das reservas musculares foi atingido, porém, esta estratégia além de não ser prática é ilegal no desporto.

Anos mais tarde, um artigo demonstrou, pela primeira vez, que era possível através da suplementação alimentar, despertando novamente o interesse para este suplemento. Embora melhor que o anterior, o protocolo utilizado continuava a não ser prático, pois foi necessária uma dupla ingestão diária de 1,36 g de LC em combinação com 80 g de hidratos de carbono (HC), durante 24 semanas. Uma breve revisão da literatura atual na área da suplementação de LC e o rendimento desportivo descreve estas e outras publicações mais pormenorizadamente.

Relativamente à perda de peso, frequentemente associada a este suplemento, não há, até à data, evidência científica que justifique a sua utilização. O facto da ingestão simultânea de LC com 80 g de HC ser incompatível com a maioria dos regimes de perda de peso, é uma possível explicação.

A inconsistência de resultados e a complexidade dos protocolos de suplementação levou à alteração do foco da investigação. Estudos recentes têm vindo a demonstrar que o interesse deste suplemento pode passar pelo seu efeito antioxidante. Nesse sentido, tem vindo a ser investigado o impacto da suplementação de LC na recuperação pós-exercício e em treino de força, em oposição ao foco inicial.

Pela mesma razão, também o impacto da suplementação de LC em indivíduos diabéticos tem vindo a ser estudado, já tendo sido demonstrados efeitos benéficos em diversos parâmetros clínicos e metabólicos associados à Diabetes Mellitus tipo 2. A melhoria da utilização da glicose, de parâmetros lipídicos e de stress oxidativo, são alguns exemplos. Contudo, uma investigação recente levantou a possibilidade da LC poder aumentar o risco cardiometabólico.

Em suma, tendo em conta o conhecimento atual, é necessário investir na investigação de translação, com ensaios clínicos, cegos e randomizados, onde a efetividade da suplementação com L-carnitina seja avaliada. De modo a conhecer as áreas, condições e populações em que esta poderá ser benéfica, bem como aquelas em que deverá ser evitada, para uma prática clínica baseada na evidência.

Catarina Batista Oliveira
NOVA Medical School, UNL

Envie este conteúdo a outra pessoa