Sem lactose não significa sem lácteos 1621

Os sintomas da intolerância à lactose podem ser controlados de forma simples, através da adoção de uma dieta sem lactose ou com um teor reduzido de lactose.

Segundo a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos, uma grande parte das pessoas intolerantes à lactose consegue ingerir até 12 g de lactose numa única toma (o que equivale, aproximadamente, a 1 copo de leite), com poucos ou nenhuns sintomas digestivos.

Para aqueles com menor tolerância existem soluções lácteas sem lactose, adequadas a todos os gostos, preferências e necessidades, permitindo diversificar as escolhas.

O leite e os lácteos devem ser consumidos diariamente como parte de uma alimentação saudável, sendo fontes de nutrientes essenciais como proteínas de alto valor biológico, cálcio, potássio, fósforo, iodo, vitaminas A, B2, B12 e niacina. A exclusão destes alimentos pode ter um efeito negativo no aporte nutricional sobretudo em fases de crescimento como a infância e adolescência, em que as necessidades nutricionais são elevadas.

INTOLERÂNCIA À LACTOSE

A intolerância à lactose é a condição que se refere aos sintomas digestivos decorrentes da mal-digestão da lactose.

A intolerância à lactose é o nome dado à incapacidade total ou parcial do nosso organismo para digerir a lactose e acontece por ausência ou deficiência de lactase no organismo.

A lactose é um hidrato de carbono que faz parte da composição natural do leite e que tem como função fornecer energia ao organismo. Algumas pessoas têm, no entanto, dificuldade em digeri-la pela falta de lactase.

A lactase é uma enzima presente no nosso organismo que tem a função de dividir a lactose nos seus dois componentes (glicose e galactose) para que o nosso organismo possa digerir e aproveitar este nutriente.

A deficiência de lactase raramente é total, por isso muitas pessoas com digestão limitada da lactose podem não experienciar sintomas.

TIPOS DE INTOLERÂNCIA À LACTOSE

A intolerância à lactose é geralmente uma condição permanente, mas também pode ser a consequência temporária de uma infeção ou outra agressão à mucosa intestinal.

  • A intolerância à lactose primária subdivide-se em três tipos: um dos tipos é a deficiência congénita da enzima lactase, uma doença genética muito rara, na qual a criança nasce sem a capacidade de produzir lactase; outro tipo está relacionado com a deficiência transitória da enzima lactase que ocorre nos bebés prematuros; e por fim, a forma mais comum, a intolerância à lactose primária que é determinada geneticamente e que se desenvolve naturalmente ao longo do tempo, pela diminuição da produção de lactase desde a infância até à idade adulta.
  • A intolerância à lactose secundária tem origem numa patologia gástrica e/ou intestinal que cause lesão na mucosa intestinal, inibindo a capacidade de expressar a enzima lactase. Esta condição pode ser temporária ou permanente, dependendo da causa e da reversibilidade da lesão.

DIAGNÓSTICO DE INTOLERÂNCIA À LACTOSE

Os sintomas digestivos são o alerta para a intolerância à lactose, mas é importante ter em conta que os mesmos sintomas podem ser causados por outros motivos. Por isso é fundamental que o diagnóstico de intolerância à lactose seja sempre feito pelo médico.

SOLUÇÕES NUTRICIONAIS SEM LACTOSE DA MIMOSA

A Mimosa apresenta muitas soluções de lácteos sem lactose, desenvolvidas no seu Centro de Nutrição e Alimentação (CNAM), que permitem que todas as pessoas intolerantes à lactose possam continuar a beneficiar da riqueza nutricional dos lácteos com todo o bem-estar digestivo e, desta forma, evitam o recurso a produtos alternativos que muitas vezes são indicados como substitutos, mas que na verdade não têm o mesmo valor nutricional.

Leite, iogurte, leite fermentado, queijo e nata, são as soluções da marca que no site Produtos sem Lactose | Mimosa disponibiliza toda a informação nutricional.

*Conteúdo patrocinado pelo CNAM

Envie este conteúdo a outra pessoa