Laranjas vendidas em Portugal com substâncias proibidas pela União Europeia 0 195

Um estudo de uma associação espanhola identificou substâncias usadas para eliminar pragas e doenças nas laranjas importadas da África do Sul, um dos principais fornecedores extracomunitários de frutas da União Europeia.

A Unió de Llauradors, uma instituição de agricultores valenciana, levou a cabo a investigação e divulgou no jornal “La Vanguardia” a descoberta da existência de produtos fitossanitários nos citrinos importados para a União Europeia, com origem na África do Sul. Como referido no jornal “Público”, no total, foram identificados 50 herbicidas ou inseticidas. Entre as substâncias encontradas está o paraquat, um herbicida que, se ingerido, pode ser prejudicial para vários órgãos do corpo humano, como o coração, os rins e o intestino. Também foi encontrado o azinfos metil, um inseticida com níveis elevados de toxicidade para anfíbios, peixes, mamíferos, crustáceos, entre outros, e proibido pela Agência de Proteção Ambiental e pela UE desde 2006. A organização agrária explica ainda que o uso deste tipo de produtos permite aos agricultores africanos praticar preços mais baixos do que a concorrência europeia.

A organização aconselha a UE a interromper a importação de citrinos da África do Sul – e de qualquer outro país que não siga regras de segurança alimentar – até que regularizem a situação. Em comunicado, a instituição de agricultores valenciana já confirmou que vai continuar a levar a cabo estudos semelhantes para monitorizar que tipo de produtos fitossanitários estão presentes nos alimentos.

O jornal “Público” avança que a utilização destas substâncias comporta riscos não só para quem os ingere, mas também para quem os aplica na fruta. Tanto a Unió de Llauradors como a Associação Valenciana de Consumidores e Utilizadores (AVACU), entidade que solicitou o estudo, já manifestaram a sua preocupação pela entrada de produtos na Europa que tinham sido proibidos há vários anos. Já o eurodeputado Carlos Coelho refere que, a confirmar-se este facto, está-se «perante um caso grave de saúde alimentar e violação dos direitos dos consumidores», como se lê no site do “Observador”.

As frutas representaram 99% do valor da importação da UE provenientes de África do Sul, representando 1,61 milhões de euros do total de 1,63 milhões, com os citrinos no topo dos produtos importados.

Envie este conteúdo a outra pessoa