Estudo: Jejum intermitente não promove perda de peso significativa 1854

De acordo com um estudo publicado na revista cientifica “JAMA Internal Medicine“, o jejum intermitente não promove perda de peso significativa.

O estudo denominado por “Effects of Time-Restricted Eating on Weight Loss and Other Metabolic Parameters in Women and Men With Overweight and Obesity“, é da autoria de Ethan Weiss, cardiologista da Universidade da Califórnia e de Dylan A. Lowe, Nancy Wu, Linnea Rohdin-Bibby, A. Holliston Moore, Nisa Kelly, Yong En Liu, Errol Philip, Eric Vittinghoff, Steven B. Heymsfield, Jeffrey E. Olgin e John A. Shepherd.

Numa altura em que o jejum intermitente está na ordem do dia, com promessas de perda de peso, onde se alternam períodos sem comer nada (geralmente entre 12 a 48 horas) com períodos de alimentação, este estudo teve como objetivo determinar o efeito de comer com restrição de tempo na perda de peso.

Segundo esta investigação, o jejum intermitente não promove perda de peso significativa.

Para chegarem a esta conclusão, analisaram durante 12 semanas, um conjunto de 116 adultos, dos quais 105 completaram o protocolo completamente. Os voluntários tinham idade entre 18 e 64 anos, apresentavam sobrepeso ou obesidade e foram divididos aleatoriamente em dois grupos. Um dos grupos praticou o jejum intermitente, com 16 horas de jejum e 8 horas com permissão para comer (entre as 12:00 e as 20:00). O outro grupo tinha direito a três refeições estruturadas por dia, com a permissão de lanches. Notar que os participantes não aderiram a nenhuma dieta restritiva, não houve restrição de calorias, macronutrientes específicos (carboidratos, gorduras ou proteínas) nem de determinados tipos de alimentos.

No fim das 12 semanas, os investigadores verificaram que o grupo que praticou o jejum intermitente perdeu um pouco mais de peso (1,17% de perda) que o grupo de controle (0,75%). Porém, a diferença não foi suficiente para ser estatisticamente significativa e não houve mudança significativa na massa de gordura corporal total em nenhum dos grupos.

Quanto a outros indicadores de saúde, como os níveis de colesterol e açúcar no sangue, também não foram encontradas diferenças significativas entre os dois grupos.

Um dos fatores notados foi no que concerne à perda de massa magra. Aqueles que perderam em média 1,7 kg, 1,1 kg dos quais(aproximadamente 65% do peso perdido) foi de massa magra e apenas 0,51 kg de gordura. A perda de massa magra durante a perda de peso é responsável por 20% a 30% da perda de peso total.

Os investigadores concluem que não há evidências de que o jejum intermitente funcione, mas aconselham a realização de mais estudos que esclareçam como o jejum afeta a massa muscular e também os seus efeitos em pessoas idosas e com doenças crônicas como o diabetes.

Pode consultar o estudo aqui.

Envie este conteúdo a outra pessoa