Crianças bebem apenas um quarto da água necessária 319

14 de abril de 2016

 

As crianças e os jovens em idade escolar ingerem cada vez menos água e estão a substituir esse consumo pelo de refrigerantes, sumos de fruta e batidos. Facto que, de acordo com especialistas do Reino Unido, pode ter consequências preocupantes para o metabolismo das gerações mais novas, avança o portal “Pais & Filhos”. 

 

As estatísticas oficiais dos serviços de saúde pública britânicos mostram que as crianças e adolescentes entre os 11 e os 18 anos ingerem uma média de 453 ml de água por dia – contra uma necessidade de fluidos de 1,8 litros. E também os mais novos, entre os quatro e os dez anos, apresentam défices de água: 276 ml diários, em média, contra os 1,3 litros que deveriam beber.

 

O Estudo Nacional de Dieta e Nutrição do Reino Unido avaliou não só a ingestão de água como também de bebidas não-açucaradas, leite magro, chá e café. De fora da análise ficaram não só os indesejados refrigerantes como também os sumos de fruta e os batidos. No passado, estas opções foram consideradas saudáveis, mas hoje estão no rol das bebidas com capacidades para potenciar não só o excesso de peso como patologias metabólicas, dada a sua riqueza em açúcares.

 

Para os especialistas do governo britânico, há que mudar o paradigma atual do consumo de água, sendo que a de torneira «deverá ser a primeira opção na mente de pais e educadores». É que «trocar um refrigerante diário por um copo de água pode diminuir 25 por cento o risco do aparecimento de diabetes de tipo 2». Para isso, defendem a «multiplicação da oferta de água de torneira nas salas de aula, recreios escolares, creches, centros desportivos e de lazer», através da instalação de bebedouros que possam ser usados a qualquer momento.

Envie este conteúdo a outra pessoa