Cientistas extraem de muco da pele de peixe composto com potencial antibacteriano 577

Cientistas extraíram do muco da pele de peixe-gato-africano criado em viveiro um composto que revelou ter propriedades antibacterianas promissoras em células de mamíferos, divulgou no domingo a Sociedade Americana de Bioquímica e Biologia Molecular.

Segundo os cientistas, apesar de serem necessários testes adicionais para provar que o composto é seguro e eficaz para ser usado como futuro antibiótico, a substância poderá ser uma nova ferramenta contra bactérias resistentes a antimicrobianos, como a E.coli, na origem de infeções intestinais, refere a Lusa.

O muco da pele do peixe-gato-africano (Clarias gariepinus), uma espécie nativa de África, esguia, com dorso escuro, boca larga com barbilhos e que vive em água doce, é conhecido por proteger a espécie contra infeções, transportando os germes para fora da pele e produzindo compostos antimicrobianos como o que os cientistas isolaram.

Num estudo divulgado pela Sociedade Americana de Bioquímica e Biologia Molecular, que promove o seu encontro anual até terça-feira em San Antonio, nos Estados Unidos, investigadores da Universidade da Califórnia extraíram vários péptidos (cadeias curtas de aminoácidos) do muco da pele de peixe-gato-africano e utilizaram algoritmos de aprendizagem automática (ramo da inteligência artificial) para rastrear a sua potencial atividade antibacteriana.

Posteriormente, a equipa sintetizou quimicamente o péptido mais promissor, designado NACAP-II, e testou a sua eficácia e segurança, respetivamente, na enzima ESBL produzida pela bactéria E.coli e em células sanguíneas de mamíferos.

Os testes feitos demonstraram, de acordo com os investigadores, que o péptido NACAP-II destruiu a bactéria sem aparentemente causar danos nas células sanguíneas dos mamíferos.

Num próximo passo da investigação, os cientistas tencionam estudar os efeitos deste péptido em modelos animais e explorar estratégias para o produzir de forma barata.

Em 2019, a Organização Mundial da Saúde declarou a resistência aos antimicrobianos como uma das dez maiores ameaças à saúde pública global.

Envie este conteúdo a outra pessoa