Ucrânia: Guterres envia proposta a Putin para extensão do acordo dos cereais 1290

O secretário-geral da ONU, António Guterres, enviou uma carta ao Presidente russo, Vladimir Putin, com uma proposta para facilitar as exportações russas de alimentos e fertilizantes e de cereais ucranianos, informou esta quarta-feira (12) o seu porta-voz.

De acordo com o porta-voz, Stéphane Dujarric, a carta foi enviada na terça-feira e o foco da proposta é “harmonizar a implementação vital do Memorando de Entendimento com a necessidade vital de manter a iniciativa dos cereais do Mar Negro”, cita a Lusa.

“O objetivo é remover os obstáculos que afetam as transações financeiras através do Banco Agrícola da Rússia, uma grande preocupação expressa pela Federação Russa e, simultaneamente, permitir o fluxo contínuo de cereais ucranianos através do Mar Negro”, indicou Dujarric.

Segundo o porta-voz, a carta já foi entregue e está a ser analisada pelas autoridades russas, com Guterres a deixar claro que está disponível para falar com Putin.

Dujarric, que não quis entrar em detalhes sobre o conteúdo da carta, salientou que o secretário-geral tem-se concentrado em garantir o acesso contínuo aos mercados globais de alimentos e exportações de fertilizantes da Federação Russa e da Ucrânia, em prol da segurança alimentar global.

“Juntos, os acordos têm contribuído para reduções sustentadas nos preços globais dos alimentos, que agora estão mais de 23% abaixo dos recordes alcançados em março do ano passado. O secretário-geral agradece o envolvimento contínuo da Turquia com o mesmo objetivo”, salientou o porta-voz.

Da parte da ONU, Guterres continuará a enfatizar a “importância crucial” das exportações de alimentos e fertilizantes da Rússia e da Ucrânia para a segurança alimentar global.

“As pessoas vulneráveis em todo o mundo, que podem perder muito com o desmembramento dos acordos e um provável aumento subsequente nos preços globais de alimentos e fertilizantes, continuam a ser a sua principal preocupação. O secretário-geral continua envolvido com todas as partes relevantes sobre esta questão e expressa a sua vontade de aprofundar a sua proposta com a Federação Russa”, concluiu Dujarric.

Na terça-feira, o Governo russo disse que não havia razão para prorrogar o acordo, que expira a 17 deste mês, porque os problemas para as suas próprias exportações não foram resolvidos.

O porta-voz do Kremlin (Presidência russa), Dmitri Peskov, atenuou mais tarde os comentários, salientando que o Ocidente ainda tem alguns dias para resolver os obstáculos.

As exigências da Rússia incluem a reintegração do seu banco agrícola, Rosselkhozbank, no sistema bancário internacional SWIFT, o levantamento das sanções sobre as peças sobresselentes para a maquinaria agrícola, o desbloqueio da logística de transportes e dos seguros, o descongelamento de ativos e a reabertura do oleoduto de amoníaco Togliatti-Odessa, que explodiu a 05 de junho.

Segundo dados das Nações Unidas, desde que o acordo entrou em vigor, mais de 30 milhões de toneladas de cereais foram escoados a partir dos portos do sul da Ucrânia.

Envie este conteúdo a outra pessoa