Outubro foi o mês com mais chamadas para linha SNS 24 1202

O mês de outubro passado foi o que registou mais atendimentos pela linha SNS 24, com 173 mil chamadas, num ano em que o serviço já alcançou até agora 1.462.900 telefonemas, informou esta quinta-feira (02) o Ministério da Saúde.

Os dados fornecidos pelo MS em resposta a questões colocadas pela agência Lusa especificam que em outubro foram atendidas 5.580 chamadas por dia.

O ministério explica, na resposta enviada à Lusa, que em 2022 a linha teve o maior número de atendimentos de sempre, com mais de nove milhões de chamadas, “não sendo um ano comparável com o atual, uma vez que durante a pandemia o SNS 24 reforçou a sua capacidade tecnológica e de recursos humanos”.

Comparável com 2023 foi o ano de 2019, em que numa fase pré-pandemica a linha SNS-24 atendeu 1.485.808 chamadas, número pouco superior ao registado até finais de outubro passado.

Numa fase conturbada de negociações nos últimos 18 meses entre o Governo e os sindicatos representativos dos médicos, com greves e fechos de serviços hospitalares, o Ministério da Saúde aconselha, como “forma de garantir uma boa gestão dos recursos do Serviço Nacional de Saúde (SNS), o utente deve ligar previamente o SNS 24 perante um problema de saúde não emergente”.

“Através do Serviço de Triagem, Aconselhamento e Encaminhamento, o cidadão é devidamente avaliado e orientado de acordo com os sintomas apresentados e de acordo com algoritmos clínicos e cuja primeira prioridade é garantir a segurança do utente”, explica o MS.

Por responder ficaram as perguntas da Lusa sobre se a linha SNS 24 tem registado mais chamadas desde as negociações entre os sindicatos e o Governo e como tem sido o trabalho nos últimos 18 meses.

Atualmente, mais de 30 hospitais de norte a sul do país estão a enfrentar constrangimentos e encerramentos temporários de serviços devido à dificuldade das administrações completarem as escalas de médicos.

Em causa está a recusa de mais de 2.500 médicos em fazerem mais do que as 150 horas extraordinárias anuais a que estão obrigados.

Esta crise já levou o diretor executivo do Serviço Nacional de Saúde (SNS), Fernando Araújo, a admitir que novembro poderá ser dramático, caso o Governo e os sindicatos médicos não consigam chegar a um entendimento.

As negociações entre sindicatos e Governo vão ser retomadas no próximo sábado.

Envie este conteúdo a outra pessoa