Ordem dos Nutricionistas quer mais verba para prevenção no Orçamento do Estado 0 139

A Ordem dos Nutricionistas (ON) emitiu um comunicado a alertar o Governo para a necessidade de aumentar a verba para medidas preventivas no próximo Orçamento do Estado (OE), relembrado que atualmente apenas 1% do orçamento da saúde é dedicado à prevenção, estando abaixo da média da OCDE.

O comunicado refere ainda que “Portugal é dos países europeus com maior número de anos de vida saudáveis perdidos, o que se justifica por um em cada 10 portugueses ter diabetes, um em cada três ter hipertensão, e por um em cada dois portugueses ter obesidade ou excesso de peso”.

“É necessário educar, formar e criar as condições para que os portugueses tomem decisões alimentares corretas, o que só é possível com medidas preventivas, nomeadamente com campanhas informativas; com a limitação da disponibilidade de alimentos com excesso de sal, gorduras e açúcar; com a reformulação dos alimentos, e a taxação de determinados alimentos; e com nutricionistas no terreno”, indica o comunicado.

Para a Ordem dos Nutricionistas, “o impacto financeiro que as doenças relacionadas com a má alimentação têm no Serviço Nacional de Saúde (SNS) é demolidor. O custo anual com medicamentos antidiabéticos é de cerca de 250 milhões de euros e com medicamentos para as doenças cardiovasculares, de cerca de 350 milhões de euros”.

A ON refere que na anterior legislatura foi criada a Estratégia Integrada para a Promoção da Alimentação Saudável, onde estiveram envolvidos praticamente todos os ministérios, mas considera que “isto não basta”.

Por isso, a bastonária Alexandra Bento irá enviar uma carta a todos os partidos políticos “elencando medidas específicas que podem ser acionadas durante a próxima legislatura, para a melhoria dos hábitos alimentares dos portugueses”.

A ON recorda ainda no comunicado “que todos os dias morrem cerca de 100 portugueses devido a doenças cérebro-cardiovasculares e uma parte destas mortes poderia ser evitada através de alterações dos comportamentos alimentares, uma mudança que só pode ser realizada com uma atuação transversal em todas as políticas”.

Envie este conteúdo a outra pessoa