OMS alerta para impacto negativo das diferenças entre homens e mulheres na Saúde 1281

As mulheres representam cerca de dois terços dos profissionais de saúde do mundo e três quartos do trabalho não remunerado, segundo um estudo da OMS que revela um “impacto negativo sobre as mulheres”.

De acordo com o estudo da OMS, citado pela agência espanhola EFE, a disparidade entre homens e mulheres na área da saúde tem como base a falta de financiamento dos sistemas de saúde e conduz a “um círculo vicioso de cuidados não remunerados” que “reduz a participação das mulheres nos mercados salariais”, cita a Lusa.

A instituição estima que as mulheres representam 67% da força de trabalho no setor da saúde e que realizam cerca de 76% dos cuidados não remunerados.

“A desvalorização dos cuidados, um trabalho realizado principalmente por mulheres, tem um impacto negativo nos salários, nas condições de trabalho, na produtividade e no valor económico do setor”, sublinha a organização.

Segundo a OMS, este “impacto negativo” na saúde mundial contribui para o lento progresso da cobertura universal de saúde – em que todos os indivíduos e comunidades recebem os serviços de saúde de que necessitam – que ainda não está disponível para mais de metade da população mundial (cerca de 4,5 mil milhões de pessoas).

Para mitigar o problema, a agência da ONU para a saúde recomenda políticas diferentes para melhorar as condições de trabalho em todas as áreas da saúde, “especialmente aquelas com uma forte presença feminina”.

Envie este conteúdo a outra pessoa