Nutrição Clínica passa a constar nos currículos do curso de Medicina 1506

Uma das mais antigas reivindicações de associações como a APNEP foi hoje cumprida. A Nutrição Clínica vai passar a fazer parte dos currículos dos cursos de Medicina em Portugal.

A Semana da Sensibilização para a Malnutrição, realizada entre os dias 8 a 14 novembro 2021, teve como prato-forte a Cerimónia Solene da “3ª Semana da Sensibilização para a Malnutrição”, que contou a presença de vários responsáveis nacionais e internacionais da área da Nutrição Clínica NC).

Realizada hoje no majestoso Palácio de Queluz, a cerimónia teve um ponto comum em todos os discursos: os intervenientes concordaram que “um bom estado nutricional é um direito humano”. Mas o médico intensivista Aníbal Marinho, presidente da APNEP, foi mais longe e afirmou que deveria ser objetivo “tornar a Nutrição Clínica como um procedimento banal” para todos os doentes portugueses.

O Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales – largamente elogiado pelo presidente da APNEP que atribui o reconhecimento da importância da NC ao governante alegando que “nunca um secretário de Estado da Saúde tinha dado tanta importância à NC como o Dr. Lacerda Sales” – anotou que a malnutrição hospitalar “é um grave problema de saúde pública, que importa reverter”, pois o virar a cara a este problema põe em causa um “direto humano”.

Na Cerimónia Solene ocorreram dois dos momentos mais aguardados pela APNEP nos últimos anos, nas últimas batalhas, pelo reconhecimento dos doentes a serem tratados “com dignidade” e a terem direto a uma nutrição de qualidade. Em concreto, celebrou-se a assinatura formal da Declaração de Cartagena (declaração internacional que tem o compromisso de reconhecer o cuidado nutricional como um direito humano) por Portugal, e a assinatura do Manifesto NEMS (Nutrition Education in Medical Schools) para a inclusão da Nutrição no Currículo das Universidades Médicas em Portugal.

O médico Henrique Cyrne Carvalho, presidente do Conselho de Escolas Médicas Portuguesas (CEMP), considerou que a formalização da inclusão da disciplina de NC nos cursos de Medicina representa um passo em frente na valorização do conhecimento clínicos dos futuros médicos e é, também, um sinal de que a Medicina caminha para um modelo preventivo “e não meramente curativo”.

Nota: Fotografia da Associação Portuguesa de Nutrição Entérica e Parentérica (APNEP)
Envie este conteúdo a outra pessoa