Da nova ministra da Saúde, espera-se “total abertura para ouvir” os nutricionistas 429

Júlio César Rocha, presidente da Sociedade Portuguesa de Nutrição Clínica e Metabolismo (SPNCM), espera que a nova ministra da Saúde, Ana Paula Martins, demonstre uma “total abertura para ouvir” os nutricionistas e as entidades ligadas à Nutrição, em particular à Nutrição clínica.

Em entrevista à VIVER SAUDÁVEL (VS), o nutricionista felicita a nomeação de Ana Paula Martins e a eleição de Liliana Sousa como bastonária da Ordem dos Nutricionistas, pedindo “respeito pela tutelas anteriores”, e ainda assumindo-se como favorável a uma “continuidade” que valorize o trabalho encetado em prol da Nutrição.

“Espero que a nova ministra tenha total abertura para nos ouvir, para ouvir todas as entidades que têm um papel importante na área da Nutrição, em concreto na área da Nutrição Clínica”, refere. Para o também docente na NOVA Medical School, é necessário que Portugal “consiga perceber que, nutrindo melhor os seus doentes, pode seguramente melhorar o panorama da saúde” em áreas como as doenças hereditárias do metabolismo.

Ao apontar a relevância dada à Nutrição através do Programa Nacional de Promoção da Alimentação Saudável (PNPAS), reforça que a mesma atenção deve ser “transposta para o contexto clínico, hospitalar e dos cuidados de saúde primários, com investimento [não apenas monetário] e uma visão”. O parco estado nutricional daqueles que “diariamente chegam às urgências, enfermarias e cuidados primários” dificulta “o processo de recuperação e torna a reabilitação mais complexa”, diz. Por isso, considera, esta visão e investimento devem ser prioritários.

Júlio César Rocha foi entrevistado no âmbito da edição #89 da revista VS, afeta aos meses de maio e junho, a ser disponibilizada no próximo mês. Assine a Revista dos Nutricionistas e receba-a onde quiser.

Envie este conteúdo a outra pessoa