Investigadores testam se bebidas funcionais conseguem prevenir doenças cardiovasculares 235

Investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) vão testar se as bebidas funcionais, formuladas pela Sumol+Compal e Tetrapack, que utilizam a tecnologia de fermentação alcoólica, através de leveduras, para reduzir o teor de açúcar, conseguem prevenir doenças cardiovasculares, foi revelado esta segunda-feira.

Em comunicado, a FCUP esclarece que os investigadores “suspeitam ter a chave” para a prevenção de doenças cardiovasculares: as bebidas que são fermentadas de forma análoga a um vinho, mas que não têm álcool, cita a Lusa.

“Estas receitas, formuladas pela Sumol+Compal e Tetrapack, ricas em fruta contendo compostos antioxidantes associados à saúde, propõem prevenir ataques cardíacos ou acidentes vasculares cerebrais”, salienta a FCUP, acrescentando que se os resultados forem os esperados, “os produtores poderão avançar com estas novas bebidas funcionais e prepará-las para chegar às prateleiras”.

Nos próximos meses, começam a ser testados nos laboratórios da faculdade os “néctares do futuro”, que utilizam a tecnologia de fermentação alcoólica através de leveduras para reduzir o teor de açúcar dos sumos.

Numa primeira fase, os investigadores vão debruçar-se sobre as características químicas e nutricionais para perceber “o que muda num sumo ao ser fermentado” e que moléculas e nutrientes podem ser “mais promissores”.

“Queremos perceber se estas bebidas são capazes de reverter um conjunto de alterações metabólicas, como a diabetes e a hipertensão, porque sabemos que quem as desenvolve tem 3,5 vezes mais propensão para desenvolver doenças cardiovasculares”, afirma, citada no comunicado, a líder do projeto, Iva Fernandes.

No projeto, intitulado FERMEN.TO, os investigadores pretendem estudar o impacto do processo de fermentação numa bebida durante a sua produção, bem como a transformação dos diferentes componentes após ingestão por via oral.

Para isso, vão simular, numa plataforma ‘in vitro’, o processo de ingestão dos sumos, começando pela boca, passando pelo estômago e pelo intestino, esclarece a investigadora do Laboratório Associado para a Química Verde (LAQV-REQUIMTE) da FCUP.

Ao longo do processo, vão ser retiradas amostras para, posteriormente, ser estudado o que é absorvido em cada compartimento.

Depois disso, os investigadores tencionam selecionar as moléculas mais relevantes que poderão chegar aos diferentes órgãos através da corrente sanguínea, para perceber se revertem ou não as condições metabólicas.

“No final, o que resulta deste projeto é testado com células adiposas e do tecido muscular, onde serão simuladas condições como a diabetes ou a hipertensão”.

O intuito é confirmar se estes sumos fermentados são “mais fáceis de digerir e se fortalecem a flora intestinal”, afirma a FCUP, notando que o objetivo passa, num novo projeto, por validar os resultados em voluntários com e sem síndrome metabólica.

O projeto FERMEN.TO, que durará 18 meses, conta também com a colaboração da NOVA Medical School, do Instituto de Investigaçao em Ciências da Alimentação da Universidade de Madrid, da Sumol+Compal e da Tetrapack.

Envie este conteúdo a outra pessoa