Guiné-Bissau debate segurança alimentar e nutricional 294

10 de agosto de 2016

As organizações da sociedade civil da Guiné-Bissau realizaram esta quarta-feira um encontro de reflexão sobre a segurança alimentar e nutricional no país no âmbito de um compromisso assumido pelos Estados da comunidade lusófona, avança a agência “Lusa”. As organizações da sociedade civil «querem honrar a sua parte do compromisso» que consiste em colocar na agenda nacional de cada país lusófono a discussão da segurança alimentar, avançou Celestino Sá, coordenador técnico da Ressan-GB (rede da sociedade civil para a soberania e segurança alimentar e nutricional da Guiné-Bissau). 

 

O compromisso visa erradicar a fome na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), inspirando-se no modelo brasileiro, até 2025, afirmou o coordenador da Ressan-GB. Celestino Sá adiantou ainda que o compromisso, que deve envolver os deputados, o Governo, o setor privado e a sociedade civil no geral, consiste em ver cada um dos segmentos numa discussão das diretrizes de apoio à Agricultura Familiar nos Estados membros da CPLP.

 

Na busca de uma diretriz nacional para o apoio à Agricultura Familiar, os participantes na reflexão cingiram a sua abordagem em temas como: O reconhecimento e identificação da Agricultura Familiar, agroecologia, compras públicas no âmbito de segurança alimentar e nutricional e “governança” da Terra e dos recursos naturais.

Envie este conteúdo a outra pessoa