Fome é “ponta do iceberg”. FAO alerta para o aumento da insegurança alimentar 470

fome

Os graves níveis de fome atuais são a “ponta do iceberg” e a insegurança alimentar deverá atingir pessoas que não corriam esse risco, afirma Monika Tothova, economista da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO).

Em entrevista à Lusa, a especialista em políticas agrícolas e alimentares explicou que, caso a atual crise alimentar global se arraste, muitas famílias perderão poder de compra e precisarão de fazer refeições menos nutritivas ou até reduzir o número de refeições diárias.

Os níveis de fome e os níveis de emergência são a ponta do iceberg, sendo provável uma deterioração significativa”, afirmou Tothova. “Mesmo as pessoas que ainda não estão em níveis de insegurança alimentar de emergência provavelmente serão afetadas, pois o seu poder de compra diminuirá”, entre outras consequências.

Estas possibilidades terão impacto na saúde e bem-estar dessas famílias, incluindo no aumento da prevalência de desnutrição, assim como a perda e o atraso no crescimento das crianças, destacou Monika Tothova.

A guerra da Rússia na Ucrânia perturbou o equilíbrio alimentar global e está a levantar temores de uma crise que já está a afetar, em particular, os países mais pobres. Juntas, a Ucrânia e a Rússia produzem quase um terço do trigo e da cevada do mundo e metade do óleo de girassol, enquanto a Rússia e a sua aliada Bielorrússia são dos maiores produtores mundiais de potássio, um ingrediente-chave de fertilizantes.

Nesse sentido, a guerra levou a um aumento nos preços mundiais de cereais e óleos, cujos valores superaram os alcançados durante as Primaveras Árabes de 2011 e os “motins da fome” de 2008. “A guerra na Ucrânia ocorreu no momento em que o mundo recuperava da pandemia de Covid-19. Ao mesmo tempo, a insegurança alimentar estava a aumentar em todo o mundo, porque muitas pessoas perderam os meios de subsistência”, garante.

A especialista da FAO destacou ainda que para se conseguir manter o financiamento humanitário para assistência vital, incluindo assistência alimentar, seriam necessários mais de 70 milhões de dólares (65,2 milhões de euros) por mês, citando dados do Programa Alimentar Mundial.

WordPress Ads
Envie este conteúdo a outra pessoa