Exposição solar pode aumentar o risco de doenças oculares. Saiba os cuidados a ter nesta época do ano 291

Com a chegada do verão (20 de junho), o aumento da intensidade da luz solar e dos raios ultravioleta (UV), os cuidados com a visão devem ser redobrados de forma a evitar lesões oculares. A Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO) deixa o alerta de que neste período e em especial nas férias, os olhos ficam mais vulneráveis e expostos a certos agentes agressores, pelo que a prevenção de potenciais lesões oculares é fundamental. Algumas das lesões oculares mais comuns são as alterações agudas da córnea e da conjuntiva, cataratas e degenerescência macular da idade.

Para evitar a ocorrência de problemas oculares a SPO deixa algumas recomendações que deve ter em consideração:

• Óculos de sol: Para garantir uma maior proteção dos olhos é essencial o uso de óculos de sol com proteção UV, idealmente com 100% ou com a maior percentagem de proteção possível.

• Tempo de exposição solar: Deve evitar-se a exposição solar entre as 12h00 e as 16h00, intervalo de horas em que a exposição aos raios UV é mais elevada do que nos outros períodos do dia.

• Proteção para a cabeça: Os chapéus com abas ou palas são também uma ajuda na proteção dos olhos, uma vez que proporcionam uma barreira de sombra sobre a radiação solar direta que incide sobre os olhos.

• Toma de medicação: Se está a fazer alguma medicação o cuidado deve ser ainda mais redobrado, uma vez que os seus olhos podem estar mais sensíveis à luz solar. São vários os medicamentos fotossensíveis, mas destacam-se entre os mais comuns os anti-histamínicos, antibióticos ou antidepressivos.

• Exposição a agentes químicos: O cloro que é habitualmente utilizado na desinfeção da água das piscinas pode provocar lesões ao nível da superfície ocular pelo que o uso de óculos de natação nestes ambientes é aconselhável.

A presidente da SPO, Rita Flores, alerta ainda “No período do verão temos também, por vezes, a questão dos grãos de areia que podem provocar lesões consideráveis na superfície ocular. Caso permaneçam alojados no interior das pálpebras após a lavagem abundante com água ou soro fisiológico, ou persistam sintomas após a sua remoção, é aconselhável procurar a ajuda de um médico oftalmologista”.

A SPO alerta ainda que se deve procurar ajuda de um médico oftalmologista de imediato caso, após a exposição solar, sejam experienciados alguns destes sintomas:
• Olhos vermelhos;
• Visão enevoada;
• Ardor;
• Sensação de corpo estranho.

Envie este conteúdo a outra pessoa