Estudo português sobre vitamina D e covid-19 1959

Conceição Calhau, professora da NOVA Medical School e investigadora do CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, vai liderar um estudo acerca dos potenciais benefícios da vitamina D no âmbito da covid-19. O nosso portal esteve à conversa com a nutricionista acerca deste tema.

“Os benefícios da vitamina D em contexto respiratório estão já bem descritos, por interferir diretamente na replicação vírica, mas também em ações imunomoduladoras e anti-inflamatórias”, explica Conceição Calhau, acrescentando que “no modelo animal de síndrome de doença respiratória aguda já foi demonstrado que o pré-tratamento com vitamina D diminuía a permeabilidade pulmonar, alterando a atividade do sistema renina-angiotensina e a expressão de ECA2″.

Sobre a relação entre vitamina D e a covid-19, que está na génese do estudo a desenvolver, a investigadora esclarece: “Considerando os mecanismos conhecidos da vitamina D, considerando o conhecimento da pandemia na segunda semana de março, de que países como Itália e Espanha estariam com cenários claramente piores, considerando que a literatura científica, já em abril de 2019, tinha alertado para a maior prevalência de deficiência em vitamina D nos países do sul da Europa como Espanha e Itália, colocámos a hipótese de que a vitamina D poderia explicar, em parte, a maior vulnerabilidade de alguns indivíduos para quadros respiratórios de maior severidade, já que se trata de um vírus com enorme contagiosidade mas que apenas os grupos de risco (obesos, hipertensos, diabéticos, idosos, entre outros – aqueles que também por coincidência são os de maior risco para deficiência de vitamina D) é que apresentariam um curso de doença com severidade”.

Assim, o grupo de investigação propõe-se “não só avaliar os níveis de vitamina D em doentes covid-19 com diferentes severidades, mas também estudar a prevalência nestes de polimorfismos associados ao metabolismo da vitamina D”.

Conceição Calhau refere ainda que “a nossa hipótese foi, em abril de 2020, justificada por algumas vozes internacionais que confirmam uma grave deficiência de vitamina D nos doentes Covid de maior severidade”

Não perca a crónica de Conceição Calhau sobre o mesmo assunto, na revista de maio da Viver Saudável

Envie este conteúdo a outra pessoa