Estudo: Má nutrição durante a gravidez pode potenciar doenças cardíacas nas crianças 801

Um estudo da Universidade de Coimbra (UC) indica que a má nutrição durante a gravidez tem “um forte impacto no coração do feto”, aumentando o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares a longo prazo.

Este trabalho, publicado na revista científica Clinical Science, foi realizado por uma equipa de investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) da UC, com a participação das Universidades do Wyoming e a do Texas Health Science Center, dos Estados Unidos.

A investigação, foi realizada com recurso a um modelo animal, e teve como objetivo avaliar se a subnutrição materna provoca alterações ao nível das mitocôndrias (os organelos celulares produtores de energia) no coração dos fetos.

A nota da UC, enviada à agência Lusa, indica que uma redução moderada de 30% na quantidade de alimento fornecida às mães durante a gravidez produz alterações profundas na função das mitocôndrias cardíacas dos bebés.

“Estas alterações interferem na forma como as mitocôndrias produzem energia e na forma como estas participam em várias funções celulares indispensáveis, o que pode promover o aparecimento de disfunções cardíacas mais cedo na idade adulta”. explica a nota.

A investigação indica que “foi possível estabelecer uma relação de causa entre a alimentação das mães durante a gravidez e a função cardíaca dos descendentes”.

“Este trabalho tornou evidente uma relação que há muito suspeitávamos existir, agora torna-se essencial definir qual a alimentação ideal durante a gravidez para potenciar a saúde dos descendentes”, explica Susana Pereira, a investigadora do CNC-UC e do CIAFEL – Centro de Investigação em Atividade Física, Saúde e Lazer, da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (UP), citada pela Lusa.

O estudo também observou que o efeito da subnutrição durante a gravidez é mais acentuado no coração dos fetos do sexo masculino. Uma diferença que pode explicar a diferente suscetibilidade de homens e mulheres para doenças cardíacas durante a vida.

O estudo concluiu que “a subnutrição e a sobrenutrição durante a gravidez têm efeitos muito semelhantes na função mitocondrial da descendência, promovendo alterações que poderão explicar a maior suscetibilidade a doenças hepáticas, renais ou cardíacas observadas em filhos de mães sobre ou subnutridas durante a gravidez”.

Estas alterações na estrutura e função mitocondrial cardíaca devido à má nutrição materna estão implicadas na programação do desenvolvimento cardíaco e provavelmente influenciam a saúde cardíaca a longo prazo.

Por isso aconselham que “estes bebés deverão receber seguimento médico ao longo da vida, dado o seu risco aumentado para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares”.

Envie este conteúdo a outra pessoa