Estação seca vai dificultar acesso a comida a quase 55 milhões de africanos 932

Quase 55 milhões de pessoas na África Ocidental e Central terão dificuldades em alimentar-se na estação seca, de junho a agosto, segundo um estudo divulgado esta sexta-feira pelo Programa Alimentar Mundial (PAM) das Nações Unidas.

O estudo, desenvolvido em março pelo Cadre Harmonisé e divulgado pelo Comité Interestatal Permanente de Controlo da Seca no Sahel, mostra que houve um aumento de quatro milhões de pessoas em situação de insegurança alimentar em comparação aos números previstos em novembro de 2023.

“A situação é particularmente preocupante no norte do Mali, afetado por conflitos, onde se estima que 2.600 pessoas poderão passar por uma situação de fome catastrófica”, referiu o PAM em comunicado, citado pela Lusa.

Segundo o estudo, houve uma mudança nos fatores que conduzem à insegurança alimentar na região.

“Desafios económicos como a desvalorização da moeda, o aumento da inflação, a estagnação da produção e as barreiras comerciais agravaram a crise alimentar, afetando as pessoas em toda a região, sendo a Nigéria, o Gana, a Serra Leoa e o Mali os mais afetados”, declarou.

Os preços dos principais cereais continuam a aumentar em toda a região, de 10% a mais de 100%, em comparação aos últimos cinco anos, devido à inflação monetária, aos custos dos combustíveis e dos transportes, às sanções da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e às restrições aos fluxos de produtos agropastoris, explicou.

“A inflação monetária é um dos principais fatores de volatilidade dos preços no Gana (23%), na Nigéria (30%), na Serra Leoa (54%), na Libéria (10%) e na Gâmbia (16%)”, sublinhou.

Segundo o PAM, a África Ocidental e Central continuam fortemente dependentes das importações para satisfazer as necessidades alimentares da população.

“A produção de cereais para a campanha agrícola de 2023-2024 revela um défice de 12 milhões de toneladas, enquanto a disponibilidade per capita de cereais diminuiu 2% em comparação à última campanha agrícola”, referiu.

A subnutrição nestas regiões é “alarmantemente elevada”, com 16,7 milhões de crianças com menos de 5 anos gravemente subnutridas e mais de dois em cada três agregados familiares incapazes de pagar uma alimentação saudável, segundo o PAM.

Além disso, oito em cada 10 crianças entre os 6 e os 23 meses não consomem o número mínimo de alimentos necessários para um adequado crescimento e desenvolvimento.

Os preços elevados dos alimentos, o acesso limitado aos cuidados de saúde e os regimes alimentares inadequados são os principais fatores de desnutrição aguda nas crianças com menos de 5 anos, nos adolescentes e nas mulheres grávidas, acrescentou.

Em algumas zonas do norte da Nigéria, a prevalência de desnutrição aguda em mulheres com idades compreendidas entre os 15 e os 49 anos atinge os 31%, declarou.

“Uma boa nutrição nos primeiros anos de vida e na infância é a promessa de uma força de trabalho produtiva e educada para a sociedade de amanhã. Para fazer uma diferença duradoura na vida das crianças, temos de considerar a situação da criança como um todo e reforçar os sistemas de educação, saúde, água e saneamento, alimentação e proteção social”, declarou o diretor regional do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Gilles Fagninou, citado no comunicado.

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), a UNICEF e o PAM apelam aos governos nacionais, às organizações internacionais, à sociedade civil e ao setor privado para que concretizem soluções sustentáveis que reforcem a segurança alimentar, aumentem a produtividade agrícola e atenuem os efeitos adversos da volatilidade económica.

Envie este conteúdo a outra pessoa