Dieta vegetariana pode reduzir risco de AVC em 75% 333

Num estudo publicado na Neurology, de investigadores da Universidade Tzu Chi em Hualien, Taiwan, concluiu-se que as pessoas cujas dietas consistem principalmente em frutos secos, vegetais e soja podem ter um risco menor de derrame cerebral do que aquelas que comem carne ou peixe.

O estudo, denominado por “Vegetarian diet and incidence of total, ischemic, and hemorrhagic stroke in 2 cohorts in Taiwan“, é da autoria de Tina Chiu, Huai-Ren Chang, Ling-Yi Wang, Chia-Chen Chang, Ming-Nan Lin e Chin-Lon Lin.

Esta investigação teve como objetivo “determinar como uma dieta vegetariana afeta a incidência de AVC em 2 coortes e explorar se a associação é modificada pela ingestão de vitamina B12 na dieta”.

Os participantes foram escolhidos no Tzu Chi Health Study (5.050 no total, recrutados em 2007-2009) e no Tzu Chi Vegetarian Study (8.302, recrutados em 2005) foram acompanhados até ao final de 2014.

A dieta foi avaliada por meio de questionários de frequência alimentar, realizados no início do estudo.

Os participantes vegetarianos normalmente comiam mais frutos secos, vegetais e soja, bem como menos laticínios, do que os não vegetarianos. Ambos os grupos comeram quase a mesma quantidade de frutas, mas os vegetarianos comeram mais proteínas e fibras vegetais.

O estudo mostrou que a ingestão de vitamina B12 pode modificar a associação entre dieta vegetariana e AVC geral. E que a dieta vegetariana taiwanesa está associada a um menor risco de derrames isquémicos e hemorrágicos.

Os autores do estudo ainda concluíram que os vegetarianos tinham 48% menos probabilidade de sofrer um AVC (risco 60% menor de AVC isquémico, risco 65% menor de AVC hemorrágico).

Pode consultar o estudo aqui.

Envie este conteúdo a outra pessoa