Diário da República: Rastreio nacional ao cancro colorretal tem de avançar até fim do ano 228

08 de Abril de 2016

Os rastreios de base populacional do cancro colorretal, do colo do útero, da mama e da retinopatia diabética têm de começar a nível nacional até ao fim deste ano, segundo um despacho publicado em Diário da República.

A cobertura regional total para todos aqueles rastreios de base populacional tem de ser garantida até 31 de dezembro de 2017, define ainda o diploma assinado pelo secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo.

«As administrações regionais de saúde (ARS) devem desenvolver na respetiva área geográfica, durante o ano de 2016, medidas coordenadas para implementar os rastreios de base populacional nas áreas do cancro da mama, do cancro do colo do útero, do cancro do cólon e reto e da retinopatia diabética», refere o despacho.

As ARS terão de elaborar a cada semestre um relatório sobre a evolução da cobertura destes rastreios na sua área geográfica.

Caberá ainda à Direção-geral da Saúde promover a formação e informação dos utentes sobre as vantagens da adesão a estres rastreios.

No preâmbulo, o diploma do Ministério da Saúde recorda que continua a haver assimetrias significativas na cobertura geográfica dos rastreios para os cancros da mama, do colo do útero e do cólon e reto.

Além disso, houve também uma diminuição, em 2014, do número de pessoas com diabetes abrangidas pelos programas de rastreio da retinopatia diabética.

«Os rastreios de base populacional (…) permitem a identificação de lesões percursoras de situações malignas ou estádios iniciais da doença, através do diagnóstico precoce e com utilização de técnicas terapêuticas menos agressivas», lê-se no despacho, citado pela “Lusa”.

Envie este conteúdo a outra pessoa