Crianças que estudam em escolas perto de áreas urbanas têm maior risco de obesidade 474

Um estudo, realizado por investigadores do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), concluiu que as crianças que frequentam escolas com maior proximidade de zonas urbanas e com menos espaços verdes têm maior risco de desenvolver obesidade.

Esta investigação, denominada por “A cross-sectional study of the impact of school neighborhood on children obesity and body composition“, foi coordenado por André Moreira e Pedro Moreira, contou com a participação de outros oito investigadores do ISPUP, e foi publicada no European Journal of Pediatrics.

O estudo avaliou os espaços que estavam localizados a uma distância de 500 metros das escolas, considerando a quantidade de áreas verdes e espaços construídos em seu entorno, assim como a composição corporal, peso e altura de 845 crianças, que frequentavam os 3º e 4º anos do ensino básico, de 20 escolas do Município do Porto.

Estas conclusões devem-se ao fato de essas crianças estudarem em escolas com espaços ao ar livre que não favorecem a prática de atividade física, mas também porque estão mais expostas aos poluentes oriundos do trânsito, o que pode estar associado a um aumento da resistência à leptina que está relacionado ao desenvolvimento da obesidade.

Tendo em conta os resultados do estudo, os investigadores consideram fundamental definir políticas que visem a criação de espaços verdes no entorno das escolas.

Pode consultar o estudo aqui.

Envie este conteúdo a outra pessoa