Covid-19: DGS emite recomendações para lares 953

A Direção-Geral da Saúde (DGS) lançou uma recomendação para o serviço de alimentação nos lares, unidades de cuidados continuados ou outras estruturas de resposta a idosos, a aconselhar a renovar o ar das salas com frequência e utilizar o espaço por turnos, para garantir distâncias de segurança de um a dois metros entre os utentes, que nunca se devem sentar frente a frente.

Nesta nota, a DGS apela a que os espaços de refeição em equipamentos dedicados a idosos devem ser reorganizados de modo a garantir que os utentes não se sentam frente a frente e que não se podem utilizar objetos de uso comum como cestos de pão ou de fruta e jarros de água.

Toddos os colaboradores responsáveis pelo serviço de distribuição de refeições, além de lavar adequadamente as mãos, devem utilizar máscaras cirúrgicas, evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos e assegurar o fardamento (roupa e calçado) adequado, para uso exclusivo no trabalho, bem como as habituais proteções para o cabelo.

O refeitório/sala de refeições, incluindo mesas e cadeiras, têm de ser desinfetados antes e depois de cada refeição, incluindo entre turnos.

O espaço de refeições não deve ter travessas na mesa, devendo os funcionários de serviço garantir o empratamento, que os guardanapos e utilizar devem ser de papel e de utilização única, assim como as toalhas de mesa, se usadas.

A louça deve ser lavada a temperaturas elevada, idealmente a 80-90ºC, devem ser limpos e desinfetados regularmente as torneiras, os puxadores, os interruptores, os manípulos de portas e outros equipamentos do género.

Os panos para limpar superfícies também devem ser exclusivo para cada tarefa, sendo necessária a sua lavagem e desinfeção após cada limpeza. A DGS sugere que sejam diferenciados por um código de cores, para cada uma das áreas (ex: vermelho para as áreas de preparação, amarelo para as áreas de confeção e verde para as áreas de distribuição). O mesmo se passa com o balde e a esfregona.

O fardamento de quem prepara as refeições deve ser de uso exclusivo para o trabalho e a farda deve ser lavada na própria instituição, sendo que o programa de lavagem da roupa deve integrar pré-lavagem, lavagem a quente a temperatura de 70 a 90ºC, seguido de um ciclo de desinfeção química também em máquina.

Na confeção dos alimentos, os alimentos crus devem ser separados dos alimentos cozinhados e os equipamentos e utensílios, como facas ou tábuas de corte para alimentos crus e alimentos cozinhados têm também de ser diferentes. Os alimentos devem ser cozinhados a temperaturas acima dos 75 graus.

Se as refeições forem entregues no domicílio, deve ser assegurada a higienização do veículo de transporte antes e depois de cada distribuição, a limpeza, várias vezes ao dia, de todas as superfícies e objetos de utilização comum no carro de transporte, como a caixa de velocidades ou os puxadores de porta do carro. Os funcionários que fazem a distribuição de refeições também deverão ter um cuidado acrescido e devem desinfetar com frequência as mãos entre cada entrega e usar máscaras cirúrgica.

A DGS recomenda que todas as unidades ofereçam uma solução alcoólica para higienizarem as mãos.

Todos os casos suspeitos e os confirmados “nunca deverão deslocar-se aos espaços comuns, devendo fazer as refeições nos quartos onde estão isolados”.

Pode consultar a orientação aqui.

Envie este conteúdo a outra pessoa