Conselho Europeu financia investigações pioneiras no combate à obesidade, nas tecnologias biomateriais e diagnóstico não invasivo 923

O Conselho Europeu de Investigação (ERC) concedeu financiamento a Investigadores Principais nas Ciências da Vida da Fundação Champalimaud (FC), do Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier da Universidade NOVA de Lisboa (ITQB NOVA) e da Unidade de Ciências Biomoleculares Aplicadas da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade NOVA de Lisboa (UCIBIO-NOVA FCT).

Cada bolsa, avaliada em 150 mil euros, irá ajudar Albino Oliveira-Maia (FC), Cristina Silva Pereira (ITQB NOVA) e Cecília Roque (UCIBIO-NOVA FCT) na transferência dos resultados das suas investigações pioneiras no combate à obesidade, nas tecnologias de biomateriais e no diagnóstico não invasivo, respetivamente, para as primeiras fases de comercialização.

As bolsas Proof of Concept do ERC são atribuídas exclusivamente a Investigadores Principais que já receberam um subsídio ERC anteriormente. O seu principal objetivo é apoiar o potencial de inovação comercial e social da investigação financiada pelo ERC. “É preciso coragem e habilidade para levar uma ideia do laboratório para o mundo dos negócios”, diz Iliana Ivanova, Comissária Europeia para a Inovação, Investigação, Cultura, Educação e Juventude, no comunicado de imprensa do ERC, citada pela Universidade Nova de Lisboa e pela Fundação Champalimaud.

“As bolsas Proof of Concept anunciadas hoje são projetadas para permitir que os investigadores deem este passo corajoso e transformem investigação revolucionária em inovações tangíveis”. Maria Leptin, Presidente do Conselho Europeu de Investigação, acrescenta no mesmo comunicado: “Com a ajuda das bolsas ERC Proof of Concept, os nossos beneficiários podem dar um passo adiante e testar o potencial de mercado dos seus projetos de investigação fundamental”.

Combate à obesidade

“Alterar Comportamentos Alimentares na Obesidade: De Lesões Cerebrais a Técnicas de Estimulação Cerebral Não Invasivas”: o projeto do Laboratório de Oliveira Maia – Unidade de Neuropsiquiatria (FC) foi alvo de financiamento.

Quando os nossos hábitos alimentares mudam, a mudança pode prejudicar a nossa saúde física e mental, e às vezes levar ao peso excessivo ou obesidade. Dado que a obesidade é uma questão de saúde global significativa e que os tratamentos atuais muitas vezes falham na eficácia a longo prazo ou apresentam riscos substanciais, abordagens terapêuticas inovadoras são essenciais.

Ao abrigo da ERC Starting Grant atribuída ao grupo do investigador principal Albino Oliveira-Maia, na CF, a equipa encontra-se atualmente a investigar como os nossos cérebros determinam os nossos hábitos alimentares. Estão focados na forma como o cérebro responde depois de comermos, o que influencia o nosso desejo de procurar mais comida e ainda em perceber como os sinais entre o intestino e o cérebro afetam o comportamento alimentar.

“Outra maneira de perceber o papel do cérebro nos nossos hábitos alimentares é olhar para o que acontece quando certas áreas do cérebro são danificadas”, explica Rita Cavaglia, uma investigadora do projeto. “Usamos este método para entender distúrbios de saúde mental, e este pode ajudar-nos também a compreender comportamentos alimentares. Por exemplo, notamos que algumas lesões cerebrais podem alterar a forma como o peso de uma pessoa é regulado”.

Isto levanta questões sobre se essas lesões ocorrem em partes específicas do cérebro. Gonçalo Cotovio, membro da equipa, esclarece: “Podemos usar técnicas de imagem cerebral para ver se certas áreas cerebrais ou redes estão ligadas a essas mudanças no peso e hábitos alimentares. Estas técnicas também podem ajudar-nos a desenvolver novos métodos de tratamento, como a estimulação magnética transcraniana (EMT), uma forma não invasiva de estimular o cérebro”.

“Com este projeto, o objetivo da equipa é encontrar áreas específicas no cérebro que possam ser influenciadas usando a EMT, para ajudar a controlar hábitos alimentares”, avança João Duarte, também investigador do grupo. “Esta abordagem será guiada pela nossa compreensão de como certas áreas do cérebro, especialmente aquelas afetadas por lesões, estão ligadas a mudanças no comportamento alimentar e na gestão do peso”, continua.

A equipa planeia usar a EMT para direcionar estas áreas específicas em pessoas com obesidade. Oliveira-Maia conclui: “Estamos convencidos de que este projeto, tornado possível pela bolsa ERC Proof of Concept, irá melhorar a nossa compreensão de como a obesidade se desenvolve e fomentar o desenvolvimento de abordagens terapêuticas inovadoras para esta questão de saúde global e significativamente impactante”.

Tecnologias de biomateriais

O laboratório Cristina Silva Pereira (ITQB NOVA) foi um dos financiados, com o projeto SNAIL – Nanopartículas hidrofóbicas de suberina de alto desempenho para a geração de gotículas bifásicas líquido-ar para a aplicação em alimentos e terapêutica.

O potencial dos alimentos funcionais para promover a saúde e prevenir doenças faz com que estes estejam a ser cada vez mais procurados. A incorporação de ingredientes funcionais, como probióticos e proteínas, está a ser analisada pela indústria alimentar para produtos como o pão, o leite e os sumos de fruta. No entanto, muitos destes ingredientes funcionais – benéficos para a saúde – são sensíveis ao pH de produtos ácidos como os sumos.

As tecnologias de encapsulamento, particularmente aquelas conhecidas como antibubbles, são uma ferramenta promissora para aumentar a sobrevivência destes ingredientes em ambientes ácidos e no estômago. Contudo, o material de encapsulamento mais utilizado – a sílica – não é adequado para consumo humano. No âmbito da sua recém-concluída Bolsa ERC Consolidator, MIMESIS, Cristina Silva Pereira e a sua equipa propuseram uma alternativa: “Acreditamos que a suberina, um biopolímero hidrofóbico que a natureza utiliza para impedir o transporte de umidade, poderia ser utilizada como invólucro de gotículas líquidas, evitando fugas e garantindo uma vida útil longa”, explica, lê-se em comunicado.

A suberina está presente na casca dos sobreiros (cortiça) ou da batata, entre outros. “A principal utilização da cortiça é no fabrico de rolhas para garrafas de vinho”, diz James Yates, investigador especializado na caracterização de nanopartículas, responsável no projeto por controlar a homogeneidade do tamanho das amostras produzidas. “Este material tem sido analisado há anos para garantir que não estrague o vinho”. Assim, a sua segurança para consumo humano está há muito demonstrada. Já Manuel Melo, responsável por introduzir os dados experimentais da suberina em modelos preditivos de poliésteres vegetais para permitir uma visão da organização destes sistemas, explica o principal objetivo deste novo projeto: “O próximo passo é a integração de biopolímeros derivados de plantas no multimilionário mercado de alimentos e medicamentos funcionais encapsulados”.

A equipa, liderada por Cristina Silva Pereira, inclui também um colaborador do sector industrial: a empresa que desenvolveu a tecnologia patenteada antibubble. “Atualmente, não existem quaisquer tecnologias de encapsulamento que possam proteger os ingredientes saudáveis sensíveis do baixo pH ao longo de todo o prazo de validade dos produtos alimentares, garantindo simultaneamente a biodisponibilidade dos ingredientes”, explica o proprietário da empresa, Albert Poortinga. Com o SNAIL, os resultados da investigação de ponta do MIMESIS estarão um passo mais perto de tornar a utilização da suberina uma realidade para a indústria de alimentos funcionais.

Diagnóstico não invasivo

“Diagnósticos clínicos não invasivos inspirados no olfato”, da Cecília Roque Lab (UCIBIO-NOVA FCT), foi o terceiro projeto financiado.

Desde a época de Hipócrates, há cerca de 2400 anos, que o olfato tem sido utilizado como evidência de doenças. Com a aplicação de ferramentas modernas de bioengenharia e inteligência artificial (IA), a equipa de investigação de Cecília Roque tem apresentado diagnósticos inspirados no olfato como o futuro dos diagnósticos clínicos.

No âmbito da Bolsa Starting Grant financiada pelo Conselho Europeu de Investigação – SCENT, a equipa de Cecília Roque trabalhou no domínio do olfato artificial e das tecnologias inspiradas no olfato, como o nariz eletrónico. A bolsa inicial SCENT foi pioneira numa classe inovadora de materiais de base biológica, por exemplo, utilizando gelatina, que são sensíveis a compostos voláteis (odores) e outros biomarcadores de doenças libertados pelo corpo. “Os novos materiais alteram as suas propriedades na presença de biomarcadores de doenças, gerando sinais que são recolhidos e depois analisados por ferramentas de inteligência artificial”. – explica Susana Palma, membro da equipa do projeto. Estes sistemas de nariz artificial encontram padrões de biomarcadores distintos em amostras biológicas complexas, pelo que podem ser utilizados para detetar impressões digitais associadas a determinadas doenças.

Atualmente, a maioria das ferramentas de diagnóstico clínico ainda são invasivas, o que significa que requerem a recolha de sangue ou outras amostras do corpo, causando frequentemente stress, dor e desconforto ao doente.

Depois de desenvolver as tecnologias SCENT, a equipa tem-se concentrado em fazer a validação tecnológica e de mercado das suas tecnologias inspiradas no olfato. Apesar de ter inúmeras aplicações, “o nosso objetivo é validar as tecnologias SCENT para ferramentas de diagnóstico rápidas e compatíveis com o paciente, utilizando amostras do corpo recolhidas de forma não invasiva, como a urina, como fonte de diagnóstico de doenças. Estamos também a analisar aplicações clínicas para as quais as atuais ferramentas de diagnóstico são dispendiosas, demoradas ou inexistentes”, afirma Cecília Roque, investigadora principal da equipa de investigação.

A validação da tecnologia e do mercado pela equipa de Cecília Roque está a ser viável devido ao financiamento do Conselho Europeu de Investigação de duas bolsas para a Prova de Conceito. A primeira bolsa de Prova de Conceito do ERC, para o projeto ENSURE, centra-se na validação da tecnologia para o acompanhamento do cancro da bexiga, “uma vez que pretendemos aliviar os doentes e os médicos, reduzindo o número de procedimentos invasivos”, acrescenta Carina Esteves, membro da equipa.

Com a recém-concedida bolsa de Prova de Conceito do ERC para o projeto UNMASK, a equipa de Cecília Roque irá validar as tecnologias inspiradas no olfato para o diagnóstico de doenças neurodegenerativas, como as doenças de Parkinson e de Alzheimer, que afetam uma grande parte da sociedade tendo um elevado peso económico e social. A equipa de investigação trabalhará em estreita colaboração com clínicos de hospitais para validar a componente tecnológica do projeto, assim como com a equipa italiana DayOne para a validação e desenvolvimento do negócio.

Envie este conteúdo a outra pessoa