Café diminui o risco de sofrer de arritmias cardíacas 630

Segundo um estudo publicado na revista científica Jama Internal Medicine, ingerir café diminui o risco de sofrer de arritmias cardíacas.

O estudo, denominado por “Coffee Consumption and Incident Tachyarrhythmias – Reported Behavior, Mendelian Randomization, and Their Interactions“, é da autoria de Eun-jeong Kim, Thomas J. Hoffmann, Gregory Nah, Eric Vittinghoff, Francesca Delling e Gregory M. Marcus.

A pesquisa, realizada por investigadores norte-americanos, analisou a ingestão de café de mais de 386 mil indivíduos, durante três anos, comparando-a com a incidência de arritmias cardíacas e fibrilação arterial.

Foram analisados os genes associados à agitação que advém do consumo de café, nomeadamente o CYP1A2, que promove o metabolismo da cafeína.

Os indivíduos que têm esses genes ativos metabolizam o café normalmente sem sentir nenhum efeito secundário.

Quando ocorre uma modificação nesse gene, o organismo pode começar a metabolizar o café mais lentamente, fazendo com que o impacto da cafeína tenha uma maior duração ou seja experienciada com mais intensidade.

Os investigadores, não detetaram qualquer associação notória entre a dificuldade em metabolizar o café e o desenvolvimento de arritmia.

Contudo, constataram que o café diminui o risco de sofrer de arritmias cardíacas, como a fibrilação arterial, que se caracteriza por uma frequência cardíaca irregular e acelerada, que por sua vez tende a causar má circulação sanguínea.

Apuraram que cada chávena de café consumida estava associada à diminuição em 3% dos riscos de incidência de arritmia.

Pode consultar o estudo aqui.

Envie este conteúdo a outra pessoa