13 investigações nacionais em biomedicina e saúde entre investimento de 23 milhões 394

Um conjunto de 33 projetos de investigação – 20 espanhóis e 13 portugueses – vão receber cerca de 23 milhões de euros por parte da Fundação ”la Caixa” para as áreas da biomedicina e da saúde.

O Concurso CaixaResearch “apoia iniciativas de investigação de base, clínica e translacional de excelência e com forte impacto no que se refere aos desafios de saúde na área das doenças cardiovasculares, infeciosas e oncológicas, e das neurociências, para além de projetos que deem lugar a tecnologias facilitadoras nessas áreas”, refere a entidade em comunicado.

A iniciativa é realizada em parceria com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, que financia 3 dos 13 projetos portugueses selecionados. Todos os projetos serão desenvolvidos nos próximos três anos. No total, foram apresentadas 546 propostas para avaliação.

Os 13 projetos portugueses selecionados são provenientes de vários centros de investigação do país: 7 da Área Metropolitana de Lisboa, 3 da Região Norte (Porto e Braga), 2 da Região Centro (Coimbra) e 1 do Algarve.

Conheça os projetos nacionais vencedores:

“Como conseguir que as vacinas sejam eficazes para toda a população?” (Luís Graca, Instituto de Medicina Molecular); “Qual a influência da dieta no sistema imunitário durante os primeiros anos de vida?” (Manuela Ferreira, Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra); Como se altera a perceção na esquizofrenia e noutras doenças neuropsiquiátricas? (Leopoldo Petreanu, Fundação Champalimaud, Portugal); “Diagnóstico rápido da cardiopatia coronária para prevenir a mortalidade precoce” (Teresa Correia, Instituição candidata: Centro de Ciências do Mar do Algarve); “Estratégias de neuromodulação inovadoras para o tratamento de doenças cerebrais” (Paulo Aguiar, i3S – Instituto de Investigação e Inovação em Saúde, Universidade do Porto); “Rumo a tratamentos mais eficazes e menos tóxicos para a leucemia linfoblástica aguda” (Vera Sofia Correia Martins, Instituto Gulbenkian de Ciência);

“Rumo a uma melhor compreensão da interrupção da sinapse” (Ira Milosevic, Instituto Multidisciplinar do Envelhecimento, Universidade de Coimbra); “Podemos envelhecer de maneira mais saudável?” (Cláudio Franco, Católica Biomedical Research Centre e Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes); “Quais são os fatores que predispõem à aspergilose pulmonar invasiva?” (Cristina Cunha, Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde, Escola de Medicina, Universidade do Minho); “Um novo tratamento para prevenir a degenerescência macular associada à idade” (Miguel Seabra, NOVA Medical School, Universidade NOVA de Lisboa); “Uma nova estratégia para combater a resistência antimicrobiana” (João Morais Cabral, i3S); “Uma nova forma de tratar as metástases cerebrais no cancro da mama” (Helena Florindo, Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa); “Uma plataforma para desenvolver e produzir rapidamente novos biofármacos para lutar contra vírus emergentes” (Cláudio Manuel Soares, Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier).

Desde o início do Programa em 2018, a Fundação ”la Caixa” “destinou 94,8 milhões de euros a 138 projetos de investigação inovadores e de grande impacto social, 95 liderados por equipas espanholas e 43 por grupos de investigação portugueses, sendo o único Concurso de apoio à investigação em saúde que abrange Espanha e Portugal”. Todos os projetos foram selecionados por comissões de especialistas internacionais constituídas para cada edição, que avaliam as propostas, entrevistam os pré-selecionados e selecionam os melhores projetos.

WordPress Ads
Envie este conteúdo a outra pessoa