UNICEF alerta para ondas de calor que em Portugal afetam 94% das crianças 1359

As ondas de calor afetam 94% das crianças em Portugal, o equivalente a 1,5 milhões, estando metade das crianças na Europa e na Ásia Central exposta a uma alta frequência de ondas de calor, alerta a UNICEF.

A elevada exposição representa o dobro da média mundial, que indica que uma em cada quatro crianças está exposta a alta frequência de ondas de calor, indica um relatório divulgado esta quinta-feira divulgado pela agência das Nações Unidas para a infância, a que a Lusa teve acesso.

Só na Europa e na Ásia Central, 92 milhões de crianças estão expostas a calor excessivo, indica a análise dos últimos dados de 50 países.

No documento, com o título, “Beat the heat: Protecting children from heatwaves in Europe and Central Asia” (“Combater o calor: Proteger as crianças das ondas de calor na Europa e Ásia Central”), destaca-se que as crianças são particularmente vulneráveis aos impactos das ondas de calor, colocando-as em risco de doenças graves, incluindo a insolação.

A vulnerabilidade dos bebés e crianças deve-se nomeadamente ao facto de a sua temperatura corporal aumentar significativamente e mais rapidamente do que a dos adultos.

A UNICEF alerta também que as ondas de calor afetam igualmente as capacidades de concentração e aprendizagem das crianças, o que deixa a sua educação em risco.

Citada num comunicado sobre o relatório, Regina De Dominicis, diretora regional da UNICEF para a Europa e Ásia Central, afirma: “Metade das crianças da região está agora exposta a uma elevada frequência de ondas de calor. Prevê-se que este número aumente até 2050. As várias implicações na saúde, atual e futura, de uma proporção tão significativa de crianças da região deve ser um catalisador para os governos investirem urgentemente em medidas de mitigação e adaptação”.

A UNICEF salienta que as ondas de calor devem aumentar nos próximos anos, e diz que, com base em cenários mais conservadores, de aumento de temperatura global de 1,7 graus celsius (em relação à época pré-industrial), “todas as crianças na Europa e na Ásia Central, incluindo em Portugal, estarão expostas a uma elevada frequência de ondas de calor até 2050”.

Estima-se, neste cenário, que 81% das crianças estejam expostas a uma duração elevada das ondas de calor, e que 28% estejam expostas a uma gravidade elevada das ondas de calor.

“Em Portugal, as ondas de calor estão também a acontecer com maior frequência e a UNICEF estima que, atualmente, 94% das crianças, o equivalente a 1,5 milhões de crianças, está exposta a uma elevada frequência de ondas de calor”, salienta-se no comunicado.

Para ajudar a proteger as crianças, a UNICEF apela aos governos da Europa e da Ásia Central a incorporarem a mitigação e adaptação às ondas de calor nas Contribuições Nacionalmente Determinadas (previstas no Acordo de Paris), nos Planos Nacionais de Adaptação e nas políticas de Redução de Riscos de Desastres e Gestão de Riscos de Desastres, mantendo as crianças no centro de todos os planos.

Pede ainda que se invista em cuidados de saúde primários, para apoiar a prevenção, ação precoce, diagnóstico e tratamento de doenças relacionadas com o calor entre as crianças, e que se invista em sistemas nacionais de alerta precoce de alterações climáticas.

Os governos devem também, sugere a UNICEF, adaptar os serviços de água, higiene e saneamento, saúde, educação, nutrição, proteção social e proteção infantil, para enfrentar os impactos das ondas de calor.

Lembrando que a evidência científica demonstra que o aumento das temperaturas é resultado das alterações climáticas, a UNICEF apela ainda aos governos da Europa e da Ásia Central a reduzirem as emissões de dióxido de carbono, para limitar o aquecimento global a 1,5 graus Celsius, e a duplicarem o financiamento de adaptação até 2025.

Envie este conteúdo a outra pessoa