Projeto Crescere investiga novas fontes de proteínas vegetais 1247

A Kimitec juntou-se ao projeto Crescere para investigar, juntamente com 7 outras empresas espanholas, novas fontes de proteínas vegetais.

O projeto é financiado pelo CDTI no âmbito dos Projetos Estratégicos CIEN (Centro de Desenvolvimento Tecnológico Industrial E.P.E.) e alinhado com a estratégia europeia “Farm-to-Fork” que visa a sustentabilidade e a economia circular da cadeia alimentar na produção de proteínas de alto valor nutricional a partir de plantas (baseadas em plantas).

Este é composto por cientistas e técnicos das empresas Kimitec, Carinsa, Ingredalia, Interal, Zyrcular Foods, Delafruit, DomusVi e Tecnopackaging, que se juntaram num modelo baseado em pesquisa aberta (Open Innovation) que lhes permitirá complementar-se mutuamente para o desenvolvimento de novos produtos baseados em proteínas vegetais.

As empresas contam com a colaboração dos organismos de pesquisa: CTIC CITA, Fundação Tecnalia, AITIIP, Fundação Cajamar e Universidade de Vigo.

O projeto Crescere pretende aumentar o valor agregado das plantas com alto valor nutricional através do desenvolvimento de novos usos e aplicações. O desafio será encontrar novas fontes de proteínas vegetais para completar a oferta das fontes mais utilizadas, e que permitirão a diversificação da dieta, o fornecimento de outros nutrientes e dar mais variedade e sabor para as dietas.

A Kimitec estará envolvida na melhoria da ingestão proteica e das micro proteínas presentes nas culturas vegetais, objetivo mediante o uso de bioestimulantes e probióticos que irá melhorar as propriedades organoléticas, quimio preventivas e nutricionais dos produtos alimentares desde a origem.

A Ingredalia, que desenvolve, produz e comercializa ingredientes funcionais naturais para a indústria a partir de subprodutos vegetais, vai pesquisar formas de obtenção de frações proteicas e compostos de interesse em laboratório. Contará com o apoio da Carinsa, que conduzirá a pesquisa para a obtenção de preparados proteicos adequados para a sua aplicação e estudos de estabilidade.

A Interal, Domusvi, Delafruit e Zyrcular, empresas transformadoras, irão pesquisar tecnologias e processos para a formulação de matrizes múltiplas, utilizando os ingredientes do projeto.

A Tecnopackaging irá pesquisar um sistema de embalagem sustentável para conter os protótipos desenvolvidos pelas empresas transformadoras.

Entre as plantas estudadas encontram-se os brócolos, a couve de Bruxelas, o repolho, a couve-flor, o nabo, a couve, a moringa, a alfarroba, o Lupinus albus (do qual é extraído o tremoço), a chufa, o feijão e diferentes fungos.

Este projeto terá uma duração total de quatro anos, de Janeiro de 2021 a Dezembro de 2024.

Envie este conteúdo a outra pessoa