Problemas intestinais podem insinuar precocemente doença de Parkinson, revela estudo 1693

Os problemas intestinais, como a prisão de ventre, a dificuldade em engolir ou o intestino irritável, podem ser um sinal de alerta precoce da doença para a Parkinson, sugere um novo estudo.

De acordo com a investigação publicada no jornal Gut, existem evidências que sustentam a ligação entre a saúde cerebral e do intestino, pelo que a sua compreensão poderá ter um papel importante no tratamento da doença.

Apesar de não existir uma cura para a doença, os tratamentos ajudam a reduzir os principais sintomas (tremores involuntários, rigidez muscular e movimentos lentos), pelo que detetá-la precocemente pode fazer a diferença.

Os investigadores analisaram mais de 24 mil registos médicos de pessoas com Parkinson nos Estados Unidos, comparando-as com pessoas com Alzheimer, sangramentos cerebrais ou coágulos e com cérebros saudáveis.

O objetivo passou por compreender se os doentes tinham problemas intestinais nos seis meses precedentes ao disgnóstico de Parkinson e se a população com estes problemas estava mais propícia ao desenvolvimento desta doença. Para ambas as problemáticas, a conclusão foi afirmativa, em particular quando na equação estavam a obstinação, a dificuldade em engolir, a gastroparesia e o intestino irritável.

Por outro lado, e à semelhança do que já havia sido reconhecido por outros estudos, a remoção do apêndice parece trazer alguma proteção. Contudo, os investigadores garantem que nem todas as pessoas com problemas intestinais desenvolvem Parkinson, apenas que existe uma ligação entre as saúdes intestinal e cerebral.

À BBC News, o professor da Universidade da Califórnia Kim Barret assegurou serem necessários mais estudos para entender esta relação, uma vez que é possível que ambas “estejam ligadas a um terceiro fator de risco ainda desconhecido”. Já Tim Bartels, do UK Dementia Research Institute no Colégio Universitário de Londres, referiu que o intestino pode ser o “principal alvo” na procura por biomarcadores do Parkinson.

Envie este conteúdo a outra pessoa