PNPAS alerta para necessidade de alimentação especial em tempo de incêndios 255

12 de agosto de 2016

O Plano Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável (PNPAS) da Direção-Geral de Saúde (DGS) alerta para a necessidade de fornecer alimentos, fornecedores de energia e Hidratos de Carbono, aos bombeiros e outros profissionais que atuam no terreno, «de forma a otimizar as suas capacidades físicas, melhorando o desempenho da sua missão». 

 

A inalação dos fumos dos incêndios pode ter graves consequências na saúde das pessoas, conduzindo mesmo à morte em alguns casos. De acordo com o blogue Nutrimento, do PNPAS, «estima-se que 50% a 80% das mortes por incêndio sejam resultado de lesões por inalação de fumo». A mesma fonte, cita a monografia da nutricionista Sofia Sousa Silva sobre o tema da alimentação para “Vítimas e Bombeiros em Situações de Catástrofe Natural”: «o stress, o calor, a elevação da temperatura corporal e desidratação é uma combinação implacável, à qual o organismo responde com elevado número de alterações fisiológicas como: elevação da adrenalina, maior fluxo sanguíneo, maior tensão muscular, maior número de movimentos respiratórios, aumento da pressão sanguínea e mais batimentos cardíacos por minuto», situações que obrigam a cuidados alimentares especiais. Continua: «Estudos demonstram que os militares ingerem quantidade insuficiente de fluídos para manter a hidratação e alimentos insuficientes para manter o equilíbrio energético, em especial durante as operações. Uma boa hidratação e a ingestão suficiente de Hidratos de Carbono (HC) afeta a performance destes profissionais, além de diminuir a suscetibilidade a doenças e promover uma recuperação mais adequada depois das operações».

 

Assim, segundo as recomendações militares, «as rações restritas, usadas em situações de operações, devem fornecer pelo menos 1100 a 1500 Kcal (cerca de 50 a 70 g de proteína, um mínimo de 100g de HC por cada ração, devendo estes variar cerca de 300 a 400g de HC ao longo do dia). A ingestão de cerca de 16g por hora é suficiente para o desempenho ótimo da sua capacidade física». «Manter a hidratação através da ingestão regular de água, ao longo de todo o dia e, em especial durante exercícios e operações, são as recomendações da força aérea – cerca de ¼ de um cantil (aproximadamente ¼ de litro) de água por hora», refere o documento, acrescentando que «o nível de sódio deve ser mantido através da ingestão de uma alimentação adequada e equilibrada. Enquanto a água é usualmente a bebida mais adequada para promover a hidratação durante a atividade física militar, segundo as recomendações da US Army, bebidas desportivas contendo HC e sódio, pode ser adequado para aumentar a ingestão energética e manter a performance dos militares durante operações, quando a disponibilidade de alimentos ou a ingestão destes é inadequada».

 

«Os alimentos que mais adequadamente podem satisfazer as necessidades nutricionais destes profissionais, promovendo hidratação e suprimento adequado de HC e minerais como o sódio podem ser através de alimentos na forma sólida como frutas (banana) e pão ou bolachas ou barras de cereais ou na forma líquida como bebidas desportivas», conclui.

 

Envie este conteúdo a outra pessoa