OMS pede regras para criar bons ambientes alimentares para as crianças 1821

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que os governos estabeleçam regras “consistentes e completas” para ajudar a criar “ambientes alimentares favoráveis” para as crianças, disse esta quinta-feira o secretário-geral desta agência da ONU.

Tedros Adhanom Ghebreyesus, que falava numa conferência de imprensa virtual sobre problemas de saúde globais, assinalou que “a comercialização de alimentos não saudáveis continua a ser uma ameaça para a saúde pública e a afetar negativamente as escolhas alimentares das crianças, estando ligada a taxas crescentes de obesidade em crianças e adultos em todo o mundo”.

Tendo em conta a situação, a OMS decidiu lançar “uma nova diretriz sobre medidas para proteger as crianças da comercialização de alimentos e bebidas não alcoólicas com alto teor de gordura saturada, gordura trans, açúcar e sal”, adiantou.

Em Portugal já foram tomadas várias medidas em defesa da alimentação saudável das crianças, sobretudo ao nível das escolas.

Em 2017, foi criado o plano integrado de controlo da qualidade e da quantidade das refeições servidas nas escolas, passando a ser obrigatório ter uma opção vegetariana, e dois anos depois foi proibida a publicidade a géneros alimentícios e bebidas de elevado valor energético, teor de sal, açúcar, ácidos gordos saturados e ácidos gordos trans nas escolas.

Além disso, em 2021, foi aprovada a limitação da “venda de produtos prejudiciais à saúde” nos bufetes escolares e nas máquinas automáticas.

O diploma continha uma lista com mais de meia centena de produtos proibidos nas escolas, mostrando uma nova redução de sal, de açúcar e mais um corte em alimentos com elevado valor energético.

O objetivo do Governo era que as escolas públicas começassem a oferecer refeições “nutricionalmente equilibradas, saudáveis e seguras”.

Nesse sentido, foi ainda determinado que as ementas das escolas fossem, sempre que possível, elaboradas sob orientação de nutricionistas e que a composição das refeições respeitasse os princípios da dieta mediterrânica.

Envie este conteúdo a outra pessoa