OCDE: Obesidade pode reduzir o PIB em 3,3% 429

De acordo com um estudo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), o número crescente de pessoas com excesso de peso reduz, em média, o valor do Produto Interno Bruto (PIB) em 3,3%.

Os problemas de saúde relacionados com a obesidade têm vindo a aumentar as práticas sedentárias no local de trabalho e, consequentemente, a diminuir a produtividade em horário laboral.

Tendo em conta estes dados, a OCDE chegou à conclusão de que o excesso de peso pode aumentar o risco de desemprego entre os cidadãos e reduzir a expectativa de vida dos adultos.

Nas próximas três décadas, a OCDE prevê que as doenças relacionadas com o excesso de peso possam reduzir a expectativa de vida em 3 anos até 2050.

Este relatório analisou os custos económicos, sociais e de saúde do número crescente de pessoas com obesidade ou excesso de peso em 52 países, incluindo as nações da OCDE, União Europeia (UE28) e Grupo dos 20 (G20).

Segundo o documento, é necessário promover estilos de vida saudáveis e examinar as despesas, a eficácia e os retornos esperados do investimento no combate à obesidade.

Mais de metade da população está acima do peso em 34 dos 36 países da OCDE. Além disso, uma em cada quatro pessoas nestes países tem obesidade.

As taxas médias de obesidade adulta nos países da OCDE aumentaram de 21%, em 2010, para 24%, em 2016. Assim, a organização económica intergovernamental estima que o número de pessoas com obesidade atinga os 50 milhões a nível global.

Conforme indicado pelo relatório da OCDE, os cidadãos com excesso de peso têm 8% menos de probabilidades de conseguir emprego no ano seguinte. A organização económica intergovernamental concluiu que os adultos com excesso de peso têm até 3,4% mais probabilidades de faltarem ou serem menos produtivos no trabalho.

Para consultar mais informações sobre o estudo, clique aqui.

Envie este conteúdo a outra pessoa