Covid-19: Mudança de hábitos dos consumidores provoca aumento do desperdício alimentar 341

O confinamento derivado da pandemia de covid-19 levou a uma alteração dos hábitos dos consumidores e a um aumento da produção de resíduos, segundo um estudo científico internacional, que inclui Portugal, divulgado pela Universidade Aberta (UA).

“A produção de resíduos aumentou e os hábitos dos consumidores mudaram durante o confinamento provocado pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2)”, destacou em comunicado a UA, assinalando que a pandemia está a causar “mudanças significativas” no comportamento do consumidor.

Segundo a investigação, coordenada pelo centro de pesquisa sobre sustentabilidade e clima da universidade alemã de Hamburgo (HAW), que envolveu 23 países e que contou com a participação em Portugal da professora Célia Dias Ferreira, da Universidade Aberta, durante os períodos de confinamento, “há uma pressão adicional sobre os sistemas municipais”, de recolha de resíduos, pelo que os peritos alertam que é necessário encontrar novas estratégias.

O aumento do consumo de alimentos embalados, alimentos frescos e da entrega de alimentos foi notório durante o confinamento, e a maior geração de resíduos foi observada para embalagens plásticas e resíduos alimentares, de acordo com as conclusões, que foram publicadas na revista “Science of the Total Environment”.

O estudo científico apontou para uma subida de entre 43% e 53% de desperdício alimentar, muito associado ao consumo de ‘take-away’, que é acompanhado de embalagens descartáveis, quase sempre de plástico.

“Os principais desafios observados foram o aumento dos resíduos de embalagens e resíduos de saúde”, que levam os especialistas a destacar que “o novo coronavírus está a causar mudanças significativas no comportamento do consumidor”.

Envie este conteúdo a outra pessoa