Células estaminais: 35 anos de potencial terapêutico comprovado 228

Foi há 35 anos que se realizou o primeiro transplante de sangue do cordão umbilical numa criança de 5 anos para tratamento de uma anemia de Fanconi. A amostra de sangue do cordão umbilical da sua irmã foi colhida no momento do parto e criopreservada para posteriormente poder ser utilizada no transplante do menino doente. O transplante foi realizado em Paris em 1988 por uma médica hematologista francesa, Dra. Eliane Gluckman, tendo-se revelado um verdadeiro sucesso. Hoje o Mathew tem 40 anos, está de plena saúde, e foi pai recentemente.

A partir daí, foram instalados os primeiros bancos públicos de sangue do cordão umbilical com o objetivo de guardar as amostras de sangue do cordão doadas por grávidas para utilização do público em geral. Uns anos mais tarde surgem os primeiros bancos familiares de sangue do cordão que tinham como missão guardar as amostras de sangue do cordão das famílias que queriam reservar a propriedade das amostras para uso no seio familiar.

O sangue do cordão umbilical é um produto biológico colhido no momento do parto e rico em células estaminais que podem ter um papel muito importante no tratamento de doenças hematológicas.

Hoje em dia são mais de 80 doenças tratáveis com sangue do cordão, entre outras, leucemias, linfomas e síndromes mielodisplásicos. Todos os dias, algures no Mundo, é realizado um transplante recorrendo a este tipo de células, tendo sido realizados mais de 40.000 transplantes recorrendo a esta fonte de células estaminais e que permitiram salvar milhares de vidas.

Mais recentemente, com o advento da medicina regenerativa, tem sido testado a utilização deste produto biológico para tratamento de outras patologias e condições que ainda não têm um tratamento bem estabelecido. A paralisia cerebral e o autismo são exemplo de ensaios clínicos que têm sido efetuados para testar o potencial destas células estaminais para melhoria da condição destas crianças.

A BebéVida que celebra este ano o seu 19º aniversário, é um banco familiar de sangue e tecido do cordão umbilical, sediado no Porto, que processa e armazena amostras de sangue e do tecido do cordão umbilical. São mais de 60.000 os produtos biológicos armazenados na BebéVida provenientes de colheitas efetuadas em Portugal, Espanha e Roménia.

Nos últimos anos a BebéVida disponibilizou 2 amostras de sangue do cordão para terapia celular para tratamento de 2 crianças, uma com paralisia cerebral e outra com autismo.

A BebéVida é reconhecida pela sua aposta na qualidade tendo recentemente juntado a acreditação da AABB – Association for Advancement of Blood and Biotherapies à acreditação da FACT – Foundation for Accreditation Cellular Therapies, obtida em 2017. Isto faz da BebéVida o primeiro e único banco de sangue do cordão umbilical familiar em Portugal e na Europa acreditado por estas duas entidades.

Para além da excelência e rigor técnico, a BebéVida também tem sido reconhecida pela sua solidez financeira que faz com que os Pais lhe confiem, durante 25 anos, as amostras de sangue e tecido do cordão umbilical dos seus filhos. É por isso que o sector bancário e o IAPMEI tem reconhecido a performance económica e financeira, fazendo da BebéVida uma das empresas mais sólidas do setor e do panorama das PME em Portugal, através da atribuição, pela 14ª vez consecutiva do estatuto PME Líder e pela 5ª vez do estatuto PME excelência.

A BebéVida, continua ainda empenhada em devolver à sociedade parte do que dela recebe e é assim que continua a distribuir, todos os anos, por 5 instituições de solidariedade social, 5% dos seus resultados líquidos.

Luís Melo – Administrador da BebéVida

Envie este conteúdo a outra pessoa