Beber sumo de laranja aumenta risco de cancro da pele 2471

Um estudo, realizado pela Universidade de Indiana, e publicado no British Journal of Dermatology (BAD), indica que quem consome mais de uma laranja por dia ou bebe mais de um copo de sumo de laranja diariamente, corre mais riscos de ter cancro de pele.

O trabalho, denominado por “The association between citrus consumption and melanoma risk in the UK Biobank”, é da autoria de Andrew Raymond Marley, Xin Li, M. Li, V.L. Champion, Y. Song, e J. Han.

Os investigadores usaram dados do Biobank do Reino Unido, e analisaram uma amostra de 198.964 pessoas, composta por 1.592 pessoas com diagnóstico de melanoma e 197.372 controles.

Os dados de ingestão de frutas cítricas foram recolhidos por meio de cinco questionários, pedindo aos participantes que lembrassem sua ingestão de frutas cítricas nas 24 horas anteriores.

Os resultados mostram que aqueles que consomem mais de um copo de sumo de laranja por dia apresentavam um risco 54% superior de vir a desenvolver um melanoma. Aqueles que consomem mais de uma laranja diariamente tinham um risco 79% maior. Consumir mais de duas porções de frutas cítricas por dia está associado a um aumento de 63% no risco de melanoma, em relação àqueles que não consomem.

Embora tenha sido observada uma relação entre o consumo de cítricos e o risco de melanoma nesta amostra, os participantes com pele clara ou muito clara estavam particularmente em risco com maior ingestão de frutas cítricas.

Isto porque os citrinos contêm psoraleno, uma substância que faz com que a pele fique mais sensível à radiação UV, uma das causas do cancro da pele.

“O psoraleno tem propriedades fotossensibilizantes e fotocarcinogênicas conhecidas e é encontrado em abundância em produtos cítricos. Este fato tem estimulado estudos para investigar se o alto consumo de citros está associado ao risco de melanoma devido à fotocarcinogenicidade do psoraleno. Esta pesquisa sugere um aumento significativo no risco de melanoma associado a uma maior ingestão de frutas cítricas e essas descobertas podem moldar a orientação de exposição ao sol e como abordamos o aconselhamento de pacientes que já estão em alto risco de desenvolver melanoma”, explicou o autor Andrew R. Marley.

Devido a esta conclusão, a Associação Britânica de Dermatologistas aconselha aqueles que têm um histórico de cancro de pele na família, para evitar a ingestão do sumo de fruta.

“Esta pesquisa pode ajudar os profissionais médicos a aconselhar melhor os pacientes que já estabeleceram fatores de risco, como histórico familiar de melanoma, a diminuir a ingestão de frutas cítricas”, indicou Harriet Dalwood, porta-voz da BAD, ao The Sun.

Os investigadores reconhecem as limitações do estudo, incluindo a dependência de dados de consumo de citrinos auto-relatados. Os resultados foram ainda mais limitados devido à incapacidade de controlar fatores de confusão não medidos, como histórico familiar de melanoma.

“Apesar das limitações do nosso estudo, aproveitamos os dados de uma grande amostra populacional e conseguimos controlar várias variáveis ​​sociodemográficas e relacionadas ao câncer de pele. Acreditamos que esses resultados, com base na plausibilidade biológica, fornecem evidências para apoiar uma associação entre o alto consumo de frutas cítricas e o risco de melanoma”, declarou Xin Li, outro dos autores do estudo.

Pode consultar o estudo aqui.

Envie este conteúdo a outra pessoa