Staticman estabelece recorde mundial de “Mais Longa Performance de Estátua-Viva” 152

O homem-estátua esteve em performance mais de sete horas para “Quebrar Recordes pela Osteoporose”, a doença que afeta os ossos de 800 mil portugueses.
No Dia Mundial da Osteoporose, 20 de outubro, no Centro Comercial Colombo, o artista performativo Staticman estabeleceu o recorde mundial de “Mais Longa Performance de Estátua-Viva” com 07h00m17s (sete horas e 17 segundos) no âmbito de uma campanha de sensibilização para o impacto da osteoporose na saúde dos ossos e na vida dos doentes.

Este recorde mundial foi acompanhado por um júri que incluiu o animador e estátua-viva José Pedro Alves (Mozart Living Statue), o médico de medicina geral e familiar João Ramos e representantes da Amgen. Este recorde mundial será certificado pelo Cartório em Lisboa, da notária Melania Jones Dores Valente Ribeiro.
Staticman, o primeiro do mundo a trazer a arte da estátua-humana para a rua, em 1987, é detentor de cinco records mundiais, nove anos no Guinness Book of Records e detentor do recorde mundial de imobilidade com 20 horas, 11 minutos e 36 segundos. Agora, quase aos 60 anos, junta ao seu currículo o recorde mundial de “Mais Longa Performance de Estátua-Viva”, ação que realizou para quebrar recordes pela prevenção da osteoporose.

Staticman, António Santos de nome de nascença, destaca: “Foi para mim uma honra poder juntar-me a esta campanha de consciencialização para a osteoporose e estabelecer este recorde mundial de mais longa performance de estátua-viva. Criar esta personagem com aspeto de loiça quebradiça a mimetizar os ossos fragilizados pela osteoporose e aguentar as dores de mais de 7 horas em performance foi um desafio que agarrei com grande entusiasmo e espero que o seu impacto visual juntamente com a campanha completa, ajudem muitas pessoas a procurar o seu médico para saber mais sobre a osteoporose e sobre o seu impacto”.

“Quebrar Recordes pela Osteoporose” é o nome da ação que integra a campanha de consciencialização “Impeça a Osteoporose de Quebrar a Sua Rotina”, realizada pela Associação Nacional Contra a Osteoporose (APOROS), Associação Portuguesa de Profissionais de Saúde em Reumatologia (APPSReuma), a Sociedade Portuguesa de Reumatologia (SPR) e a Sociedade Portuguesa das Doenças Ósseas Metabólicas (SPODOM), e com o apoio da Amgen, no âmbito do Dia Mundial da Osteoporose.

A osteoporose afeta os ossos de cerca de 800 mil portugueses e é responsável por cerca 40 mil fraturas ósseas por ano, incluindo aproximadamente 12 mil fraturas da anca que são responsáveis por cerca de 1500 mortes anualmente. Em todo o mundo, estima-se que esta doença seja responsável por 8,9 milhões de fraturas por ano, o que equivale à ocorrência de uma fratura osteoporótica a cada 3 segundos.

Mais sobre as entidades envolvidas:
Sobre a APOROS – Associação Nacional contra a Osteoporose:
A APOROS, cuja fundação teve lugar em fevereiro de 1994, é uma associação de doentes, independente e não lucrativa, que integra todos os indivíduos interessados na doença.
A nível nacional colabora ativamente com a SPODOM -Sociedade Portuguesa das Doenças Ósseas Metabólicas (sociedade científica) e com a Sociedade Portuguesa de Reumatologia em trabalhos de investigação.

Sobre a Sociedade Portuguesa de Reumatologia (SPR):
A Sociedade Portuguesa de Reumatologia (SPR), fundada em 1972, é uma organização científica que tem por objetivo promover o desenvolvimento da reumatologia ao serviço da saúde da população portuguesa. A sua atuação tem por finalidade fomentar o conhecimento das doenças reumáticas, favorecendo a formação médica, bem como o desenvolvimento de estudos e projetos de investigação em Reumatologia. A SPR assume-se, igualmente, como um centro de documentação destinada quer a profissionais, através da edição e publicação de informação científica médica especializada, quer ao público em geral, mediante o seu website. Além disso, coopera com as associações de doentes e planifica ações de educação às populações. Atualmente, representa 200 profissionais, com os quais colabora na defesa do título de Reumatologista e do bom nome da especialidade.
Sobre a Sociedade Portuguesa de Osteoporose e Doenças Ósseas Metabólicas (SPODOM):
A Sociedade Portuguesa das Doenças Ósseas Metabólicas é uma associação médica para o estudo, investigação, prevenção e tratamento das doenças ósseas metabólicas em seus diferentes aspetos e de luta contra a Osteoporose, em particular.

Sobre a APPSReuma:
A Associação Portuguesa de Profissionais de Saúde (APPSReuma), fundada em 2014, tem como objetivo promover a melhoria dos cuidados diferenciados oferecidos pelos diferentes profissionais de saúde (enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos, etc) às pessoas com doença reumática e musculosquelética, a nível regional, nacional e internacional, nos aspetos comunitários, profiláticos e preventivos, assistenciais, pedagógicos, científicos e de investigação.

Sobre a Amgen:
A Amgen está empenhada em desenvolver o potencial da biologia para o tratamento de doentes que sofrem de doenças graves, descobrindo, desenvolvendo, fabricando e fornecendo terapêuticas para uso humano inovadoras. Esta abordagem começa com a utilização de ferramentas como a genética humana avançada para desvendar as complexidades da doença e entender os fundamentos da biologia humana.
A Amgen concentra-se em áreas de elevada necessidade médica não atendida e aproveita a sua experiência no fabrico de produtos biológicos para encontrar soluções que melhorem os resultados em saúde e melhorem drasticamente a vida das pessoas. Pioneira em biotecnologia desde 1980, a Amgen cresceu e tornou-se a maior empresa independente de biotecnologia do mundo, alcançou milhões de doentes em todo o mundo e está a desenvolver uma linha de medicamentos com potencial disruptivo. Para mais informação visite www.amgen.com e siga-nos no Twitter www.twitter.com/amgen.

Amgen Biofarmacêutica, Lda.
Edifício D. Maria (Q60) Piso 2 A, Quinta da Fonte
2770-229 Paço d’Arcos
NIF: 502 942 959
TEL: +351 214 220 550

Envie este conteúdo a outra pessoa