Refeições tardias podem engordar 485

Um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, nos Estados Unidos, publicado na revista científica Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, indica que jantar tarde pode contribuir para o aumento de peso e para altos níveis de açúcar no sangue.

A investigação denominada por “Metabolic Effects of Late Dinner in Healthy Volunteers—A Randomized Crossover Clinical Trial“, é da autoria de Chenjuan Gu, Nga Brereton, Amy Schweitzer, Matthew Cotter, Daisy Duan, Elisabet Børsheim, Robert R Wolfe, Luu V Pham, Vsevolod Y Polotsky, e Jonathan C Jun.

O estudo teve como objetivo analisar o impacto do jantar tardio no metabolismo noturno de voluntários saudáveis.

O ensaio ensaio cruzado randomizado, foi realizado em ambiente de laboratório, e contou com a participação de 20 voluntários saudáveis (10 homens e 10 mulheres). O intuito foi perceber como é que metabolizavam o jantar às 22:00 comparativamente com a mesma refeição por volta das 18h. Durante o estudo, todos se deitaram às 23:00. Foi dada aos participantes uma dieta isocalórica de macronutrientes.

Apesar do efeito de comer tarde variar muito entre as pessoas, e depender também da hora habitual a que as pessoas se deitam, a investigação concluiu que ingerir um jantar tardio reduz a tolerância à glicose e reduz a quantidade de gordura queimada.

O estudo mostra que algumas pessoas podem ser mais vulneráveis a comer mais tarde do que outras. Os efeitos metabólicos observados com uma única refeição continuarem a ocorrer de forma cíclica, então comer tarde pode levar a consequências para a saúde, como diabetes ou obesidade.

Em média, o nível máximo de glicose após o jantar tardio foi de aproximadamente de mais de 18%, e a quantidade de gordura queimada durante a noite diminuiu aproximadamente 10% comparativamente com o jantar anterior.

Os efeitos observados nos voluntários saudáveis pode ter mais expressão em pessoas com obesidade ou diabetes, que já têm um metabolismo comprometido.

Pode consultar este estudo aqui.

Envie este conteúdo a outra pessoa