Leite de cabras geneticamente modificadas pode produzir medicamento contra o cancro 175

De acordo com um estudo publicado no portal bioRxiv, uma equipa de investigadores neozelandeses está a testar um método pouco ortodoxo no combate contra o cancro. Os cientistas estão a modificar geneticamente cabras para produzirem no seu leite o anticorpo de um medicamento comum usado no tratamento contra o cancro.

Este anticorpo é um tipo de anticorpo monoclonal, chamado cetuximab.

Para testarem esta hipótese, os cientistas inseriram genes especiais no genoma das células de cabra. Depois criaram cabras a partir dessas células, que mostraram ser capazes de produzir o anticorpo no seu leite. Além desta mudança no leite, as cabras envolvidas são animais normais e saudáveis.

De acordo com Goetz Laible, coautor do estudo, em declarações à revista Newshub, “os animais têm um excelente estado de saúde e estão livres de muitas doenças animais perigosas que são comuns em muitos outros países. Adicionando a experiência líder da Nova Zelândia em genética de animais de criação e tecnologias reprodutivas, capacidade de processamento de leite de qualidade e sistemas agrícolas eficientes, isto mostra a oportunidade que poderia oferecer à Nova Zelândia”.

Goetz Laible acrescenta ainda que “os anticorpos são as principais armas do nosso sistema imunológico”, e o facto de este anticorpo monclonal poder ser produzido em leite de cabra constitui um avanço importantíssimo, já que permite uma redução dramática dos custos.

Neste momento, a alternativa é o medicamento conhecido como Erbitux, que tem um processo de produção muito caro.

Pode consultar o estudo aqui.

Envie este conteúdo a outra pessoa